Ações de Sustentabilidade no AME Itapevi

Atendendo ao pedido da Comissão de Sustentabilidade do AME Itapevi (SP), a equipe da Manutenção realizou estudo para inclusão de redutores de vazão de água nas torneiras dos vestiários dos colaboradores. Foi observada a redução de cerca de 300 ml em cada acionamento. O estudo evoluiu e foram instalados 122 redutores de vazão em todas as torneiras da unidade.

A equipe da manutenção também realizou ajustes nas caixas acopladas para a vazão mínima, além de instalar garrafas pets preenchidas com areia, o que reduz ainda mais o volume de água em cada acionamento de descarga. As garrafas foram doadas pelo CEAC Sul. O impacto observado na conta de água com a redução foi de 18m³.

Além dessas ações para redução de água, foram realizadas também ações para a redução do consumo de energia elétrica, tais como: alteração da metodologia de rotina de atualização do software da TI que possibilita o desligamento dos computadores ao término do dia, instalação de interruptores com circuito independentes que permitem o desligamento das luzes de acordo com a circulação de pessoas nos corredores dos pavimentos anexos, e substituição das últimas lâmpadas incandescentes existentes por fluorescentes. O impacto destas ações na conta de luz foi a redução de 4.359 kWh.

CCVM reutiliza pneus de forma criativa e sustentável

Os problemas ambientais são consequências diretas da intervenção humana, causando desequilíbrio ao meio ambiente e comprometendo a qualidade de vida. Os pneus abandonados, além de serem um problema ambiental, são também questão de saúde pública, pois acumulam água da chuva, formando locais propícios à disseminação de doenças, como a dengue. Para deter o avanço desse lixo é preciso investir em reciclagem. Pensando nisso, a Casa da Criança de Vila Mariana (SP) encontrou uma solução criativa e sustentável: reutilizar os pneus para serem utilizados pelos bebês e crianças da Casa.

Após serem higienizados, envolvidos em uma manta acrílica e tecido usado (chita de cores alegres) e costurados artesanalmente, os pneus são usados como apoio, contribuindo para que os bebês ganhem confiança no seu desenvolvimento psicomotor, durante o processo de aprendizagem do sentar. O resultado foi melhor do que o esperado, pois além de dar apoio às costas dos bebês, ainda trouxe aconchego para os maiores que, ao sentar, dobram as pernas se encolhendo como se estivessem no útero da mãe.

AME Itapevi oferece palestra sobre consumo de água para colaboradores

A nutricionista Natália Pereira ministrou uma palestra sobre “Consumo de água no preparo e higienização dos alimentos” aos colaboradores do AME Itapevi. No encontro, Natália abordou sobre a crise hídrica vivenciada atualmente e o consumo de água que um ser humano utiliza diariamente para realizar suas atividades básicas.

Além disso, falou sobre o conceito “Pegada Hídrica”, que é a conta realizada para calcular quanto de água foi necessário para produzir determinado alimento ou produto. Os participantes ficaram impressionados ao saber que para produzir um quilo de carne bovina são necessários 15 mil litros de água!

Também foram fornecidas dicas e sugestões para o melhor aproveitamento da água durante a higienização dos alimentos. Ao término da palestra os colaboradores compartilharam suas experiências e ações para a redução do consumo da água em suas casas.

O encontro foi idealizado pela Comissão de Sustentabilidade com o objetivo de contribuir para a discussão sobre a preservação da água, promovida pela Organização das Nações Unidades (ONU), que instituiu o dia 22 de março como o Dia Internacional da Água.

Alunos do CSC/GO realizam plantio de árvores

Em abril, os alunos do 6º ano do Fundamental do Colégio Santa Catarina de Petrolina de Goiás participaram do Projeto Sustentabilidade por meio do plantio de mudas de espécies nativas e frutíferas.

Durante a atividade, os alunos receberam informações importantes sobre sustentabilidade e recuperação do solo. De uma forma divertida, os alunos absorveram o conteúdo e ajudaram a natureza. Logo depois do plantio assistiram a uma palestra sobre o solo: os tipos, a flora, fauna, entre outros temas.

Brinquedoteca Sustentável

Na volta às aulas da Escola Santa Catarina/ ES, os alunos do primeiro ano do ensino fundamental inauguraram a Brinquedoteca Sustentável, produzida pela professora Fátima. É um espaço para as crianças brincarem e  contextualizarem de forma lúdica os conteúdos trabalhados em sala de aula.

A Brinquedoteca foi produzida com materiais recicláveis e com doações de brinquedos dos próprios alunos e, segundo Fátima, esse trabalho despertou a conscientização dos alunos quanto ao reaproveitamento dos materiais que seriam descartados. No espaço, as crianças trabalham a leitura e produção de texto por meio de cardápios e listas de compras, e noções de valor com o manuseio de moedas e notas e operações de adição e subtração.

Criatividade, sustentabilidade e reconhecimento no CSC-JF

Um antigo sonho da diretora geral do Colégio Santa Catarina (CSC – JF), Irmã Ernestina Lemos, foi concretizado no mês de maio, com o início do Curso de Artesanato. O objetivo é despertar talentos e incentivar a criatividade e a sustentabilidade, mostrando que é possível fazer belos enfeites e objetos com materiais que, normalmente, teriam como destino o lixo. “Hoje é um marco para o nosso colégio. Estou muito feliz e esperançosa com esta iniciativa”, afirmou a diretora.

O curso é voltado para alunos do 6º ao 9º anos do Ensino Fundamental II. As aulas serão ministradas pela professora voluntária Rosane Loures, todas as quartas-feiras, na parte da tarde. São duas turmas de 15 alunos cada: uma das 13h30 às 15h15 e outra das 13h45 às 17h30. O primeiro encontro contou com a presença de um responsável, a fim de que a professora pudesse explicar a metodologia do curso, falar dos materiais que serão necessários e apresentar alguns dos objetos que os estudantes vão aprender a confeccionar. “A base do nosso trabalho será sucata. Tudo o que poderia ir para o lixo, mas pode virar artesanato, como, por exemplo, vidros de azeite ou azeitona, latas de achocolatado, garrafinhas de leite de coco, caixas de sapato. Tudo isso, com criatividade, nós temos como reaproveitar e recriar”, ressaltou a professora.

Já no mês de junho, o CSC-JF recebeu o título de entidade benemérita, a condecoração mais alta do poder Legislativo, que reconhece os serviços prestados pela instituição à sociedade. A solenidade foi realizada no plenário da Câmara Municipal e contou com a presença da Irmã Ana Maria  Silva, do orientador espiritual do CSC – JF, padre José Leles, da coordenadora geral do CSC, Izabel Loures Nunes, além dos vereadores Julio Gasparette, Ana Rossignoli, Vagner de Oliveira e Wanderson Castelar.

Autora do projeto de lei que concedeu o título ao CSC, a vereadora Ana Rossignoli listou seus argumentos para tal proposta. “Falar do Colégio Santa Catarina não é como falar de uma simples escola, de uma simples instituição. Falar do Santa Catarina é falar de inclusão social, é falar de cultura social, moral, espiritual. É falar da competência no enfrentamento de soluções. Falar do Colégio Santa Catarina é como se estivéssemos falando do espírito de solidariedade, de cumplicidade acadêmica que desenvolve não somente com os discentes, mas também com os docentes e comunidade escolar. No dia de hoje, em nome desta Casa Legislativa, com proposta aprovada por unanimidade, por todos os vereadores, nós queremos, não somente parabenizar o Colégio Santa Catarina, mas queremos também externar os nossos cumprimentos aos professores, coordenadores, direção, alunos, funcionários que colaboraram e colaboram com a construção da excelência e qualidade de ensino”, proferiu.

Creche Monteiro Lobato adota iniciativas simples para preservar o meio ambiente

As questões ambientais ganharam força na última década e o termo sustentabilidade está em voga. No dicionário, sustentabilidade se traduz pela característica ou condição de um processo ou de um sistema que permite a sua permanência, por um determinado prazo. Sustentabilidade também pode ser definida como a capacidade do ser humano interagir com o mundo, preservando o meio ambiente para não comprometer os recursos naturais das gerações futuras. Ultimamente este conceito tornou-se um princípio. E nada melhor que cultivá-lo desde cedo, com as crianças. Por isso, consciente de seu papel de trabalhar temas relevantes para a boa vida no planeta, a Creche Monteiro Lobato (MG) montou um projeto que objetiva economizar água e diminuir a produção de lixo na instituição.

Bomba utilizada para captação de água da chuva

Em relação à água, a Creche improvisou um sistema para captar água da chuva. “Eu comecei a contabilizar o nosso consumo mensal de água e aí pensei que seria possível fazer alguma coisa para economizar. E então comecei a pesquisar, inclusive, eu li que o Lar Madre Regina, em Guarulhos, que pertence à Congregação das Irmãs de Santa Catarina, inovou com um projeto para aproveitar a água das chuvas e me inspirei”, explica Karine Rezende, coordenadora geral da Creche. Foi comprada uma bombona, com capacidade para 230 litros, que foi anexada num local alto, a mais ou menos três metros do chão, para que a água tenha força para sair pela torneira adaptada quase na base do recipiente. Essa bombona está ligada à calha do telhado, onde foi instalada uma espécie de filtro, a fim de evitar que caia folha ou qualquer tipo de impureza maior. Dentro da bombona é colocada uma pequena quantidade de água sanitária, que preserva a água armazenada por cerca de uma semana. “Nós usamos essa água para aguar a nossa horta e para lavar o pátio externo”, completa Karine.

 Outra preocupação da coordenadora era em relação ao lixo produzido pela Creche. “Eu comecei a perceber que boa parte do nosso lixo era resto de alimentos, como casca de ovo, casca de legumes e de frutas. E eu quis saber se haveria uma forma de utilizar isso, de alguma maneira. Novamente comecei a pesquisar e cheguei à técnica da compostagem”, conta Karine, com entusiasmo. O processo consiste em colocar todo o resto orgânico do lixo num tambor e cobrir com uma fina camada de serragem ou de terra. Essa mistura é remexida todos os dias e, ao fim de três meses, vira adubo orgânico que é utilizado na horta e no jardim da Creche.

 A coordenadora ressalta que a horta foi criada este ano e já está produzindo alface, tomate cereja, salsa e cebolinha, erva cidreira, boldo, manjericão, hortelã e rúcula. Tudo será utilizado para consumo interno, na produção das refeições para as crianças. Além de estimular o hábito da alimentação saudável, tudo o que for consumido fresquinho, direto da horta, será orgânico, sem agrotóxico algum. “Em ambos os processos, tanto da captação da água da chuva quanto na compostagem, estamos começando com uma pequena escala, como um projeto experimental e, se der certo, pretendemos ampliar a ideia. O custo do nosso investimento foi apenas de 230 reais. O resto é só benefício, para creche e para o meio ambiente”, destaca Karine.

As bombonas utilizadas no projeto foram pintadas pelas crianças das salas de três anos como uma oportunidade para introduzir o tema da sustentabilidade. As educadoras falaram sobre meio ambiente, lixo e compostagem. A partir daí, as crianças começaram a fazer visitas à horta para acompanhar o crescimento das hortaliças. Agora, as turminhas maiores estão elaborando uma horta vertical, feita com garrafa PET, onde serão plantadas algumas ervas. O próximo passo, segundo Karine, é replicar a iniciativa com as famílias das crianças e também com a comunidade do entorno da creche. “A ideia é convidá-los a conhecer o projeto e explicar como funciona, mostrando que qualquer pessoa pode fazer isso em casa, porque é simples e barato”.

Novidades no Hospital Estadual Central (HEC)

Redução da conta de água em 31%

Há seis meses o Hospital Estadual Central (HEC) – vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e administrado pela Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC) – começou a substituir as torneiras manuais dos banheiros e das pias exclusivas para lavagem de mãos por torneiras com fechamento automático.  Após esse período, o consumo de água caiu de 2.506 metros cúbicos (m3) para 1.620 m3, reduzindo a conta de água em 31%.

O gerente de infraestrutura do HEC, Leonardo Silva,  explica que as novas torneiras controlam a quantidade e o tempo de saída da água, evitando o desperdício involuntário. Mas ele ressalta que a consciência continua sendo fator primordial para a economia. “É claro que se toda vez que formos escovar os dentes, por exemplo, abrirmos a torneira várias vezes, todo o esforço para redução de consumo vai por água abaixo”, alerta.

Novo tipo de cirurgia

O HEC começou a realizar um novo tipo de cirurgia, trata-se de um procedimento chamado artroscopia e pode ser realizado em três partes do corpo: quadril, ombro ou joelho. A cirurgia é feita para tratar doenças nas articulações do corpo, como artrite e artrose. Segundo a diretora técnica do hospital, Andrea Stefano Saliba de Almeida, a cirurgia começou a ser realizada no início do mês de março.

 

Captação de água da chuva – Lar Madre Regina

Considerada um recurso natural raro, a água deve ser poupada e reaproveitada ao máximo, sendo que apenas 1% da água existente no planeta está disponível para consumo. Diante desta realidade e preocupado com questões relacionadas à sustentabilidade do planeta, o Lar Madre Regina implantou um sistema inovador de aproveitamento de água da chuva.

De acordo com o gerente executivo do Lar, Gerson Ribeiro Magalhães, o sistema, que coleta cerca de 60 mil litros de água por chuva, é realizado por gravidade, ou seja, sem a necessidade de outra energia (elétrica ou a diesel) envolvida no processo. “Coletamos a água do telhado por meio de calhas e, em uma determinada localidade do terreno, aproveitamos o desnível para captar a água pelo próprio solo”, explica o gerente.

Segundo Gerson, o projeto de reuso de água foi criado com o objetivo de contribuir com a preservação do meio ambiente e garantir uma atuação sustentável do Lar, que fica instalado em um terreno de mais de 22 mil m², sendo aproximadamente 17 mil m² de áreas verdes e pátios externos. “Atualmente, abrigamos 79 idosos, que em geral são dependentes desde os cuidados com a alimentação até os aspectos de higiene. Além deste belo trabalho de assistência social, temos a responsabilidade de preservar o nosso planeta, não apenas para os nossos idosos, mas também para as suas gerações”.

Mesmo tendo a isenção do pagamento de consumo de água, autorizado pelo Serviço Autônomo de Água e Esgoto (SAAE) de Guarulhos, o Lar Madre Regina adota diversas outras práticas voltadas à conscientização sobre o assunto, como estimular o fechamento da torneira durante a escovação dos dentes e o uso consciente do chuveiro.

Vale pontuar ainda que o projeto de aproveitamento de água da chuva feito pelo Lar Madre Regina, foi previsto no seu planejamento estratégico e está alinhado com as diretrizes de responsabilidade socioambiental da Associação Congregação de Santa Catarina.

Sistema para captação de água da chuva

 

Referência de sustentabilidade

Todo o investimento feito pela Associação Congregação de Santa Catarina no Lar Madre Regina em prol da sustentabilidade ambiental, já o torna uma referência, por isso a convite da Federação das Santas Casas e Hospitais Beneficentes do Estado de São Paulo (Fehosp), o especialista corporativo de responsabilidade ambiental, Francisco Silvério Neves, realizou uma vídeo conferência sobre Sustentabilidade, no fim de novembro. Durante sua apresentação, Neves apresentou dois casos de sucesso, o do Lar Madre Regina (coleta de água da chuva) e Captação de Energia Solar para aquecimento água do Amparo Maternal.

“Abordamos a escassez de água e energia elétrica no Brasil, e a importância deste trabalho desenvolvido nas entidades da ACSC, focando da importância da Responsabilidade Ambiental por todos nós”, revela o especialista.

Participaram do evento, 38 Instituições da área da Saúde, sendo que 25 delas atuam fora do Estado de São Paulo.

O evento faz parte do calendário de atividades do Educasus, que visa aprimorar a gestão das unidades de saúde em todo o País, permitindo que o processo de educação permanente se perpetue. Com isso, o aprendizado, a implantação de projetos, treinamentos em temas de relevância e a troca de experiências entre as entidades sejam amplamente divulgados e partilhados, contribuindo para a profissionalização.

Para Antônio Carlos Nunes de Azevedo, diretor corporativo de filantropia da Associação Congregação de Santa Catarina, a divulgação das práticas ambientais existentes na entidade, bem como a participação no Educasus em outros temas, vai ao encontro da missão da entidade – Perpetuar o legado de Madre Regina Protmann, mobilizando esforços para uma filantropia autossustentável nas áreas da saúde, educação e assistência social –, reforçando que, “a sustentabilidade ambiental é pauta permanente de preocupação, debate e ações nas Casas da entidade”, finaliza.