HTO Dona Lindu recebe cirurgião do INTO para procedimento inédito

O cirurgião do Grupo do Quadril do Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia (INTO), Dr. Osamu Kimura, esteve no Hospital Estadual de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu (RJ) para realizar dois procedimentos em parceria com o Grupo do Quadril da Casa, liderado pelo Dr. Bruno Rabello.

A cirurgia, inédita no HTODL e conduzida pelo Dr. Osamu, foi uma osteotomia do colo femoral (realinhamento da cabeça-colo femoral) em um paciente de 16 anos. De acordo com informações da Gestão de Ortopedia, a cirurgia possibilitou a correção de uma deformidade de caráter preservador no adolescente. O procedimento teve cerca de três horas de duração e foi considerado um completo sucesso.

Segundo o Gestor de Ortopedia do HTO Dona Lindu, Dr. Luiz Carlos Zacaron, que também participou da cirurgia, o procedimento realizado no jovem paciente será publicado em revista científica ortopédica em breve. Para ele, esta foi a melhor opção para o adolescente: “A osteotomia do colo femoral foi a melhor opção para o paciente e dará uma qualidade de vida melhor a ele. A outra opção para o caso seria uma atroplastia total do quadril, procedimento muito mais agressiva para um jovem de 16 anos. A presença do Dr. Osamu Kimura para a realização da cirurgia e esta troca de conhecimentos e experiências reforça a importante e concreta parceria entre o HTO Dona Lindu e o INTO”, disse.

Na segunda cirurgia, uma artroscopia do quadril, o Dr. Bruno Rabello passou novos conceitos do procedimento ao Dr. Osamu Kimura. Vale ressaltar que, de janeiro a abril de 2015, foram realizadas 201 cirurgias de quadril no HTO Dona Lindu, de acordo com dados da direção da unidade.

Pacientes elogiam tratamento recebido no HTODL

Na final de fevereiro, o Hospital Estadual de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu (Paraíba do Sul – RJ) registrou um grande movimento de pacientes de várias cidades do Rio de Janeiro. Um ônibus de Cabo Frio desembarcou em Paraíba do Sul trazendo mais de 30 pacientes para procedimentos variados.

Um destes pacientes, Jaires Rodrigues Alves, que recentemente operou o joelho, era só elogios para o atendimento do HTO Dona Lindu. “O atendimento aqui é nota 10, uma maravilha. Todos os funcionários nos tratam muito bem e as enfermeiras são como se fossem nossas filhas. Coloquei uma prótese no joelho e estou me sentindo muito bem. A recuperação está tranquila, graças a esta equipe médica maravilhosa que encontrei aqui”, disse.

Fátima Soares da Silva, natural de São Gonçalo, na região metropolitana do Rio de Janeiro, também contou sua história. Esbanjando simpatia, ela disse que passou por momentos ruins até conseguir operar a coluna, que causava muitas dores e transtornos. Agora, só tem motivos pra sorrir. “Antes de vir para o Dona Lindu, esperei cerca de nove anos por uma cirurgia na coluna, sentindo muitas dores. Depois que fui transferida para cá, fui operada em menos de dois anos e me sinto ótima. O hospital está de parabéns pelo excelente trabalho. A equipe é incrível, me trata muito bem e sempre me liga para saber como estou, mostrando preocupação com a minha saúde. Fico muito feliz com o tratamento que recebi”, finalizou.

De acordo com o Serviço de Atendimento ao Usuário do HTODL, a unidade fechou o ano de 2014 com índice de 98% de aprovação dos pacientes. De 1.824 entrevistados, no período de janeiro a dezembro de 2014, um total de 1.784 mostraram-se “muito satisfeitos” com o serviço oferecido.

Secretário Estadual de Saúde visita HTO Dona Lindu

No final de janeiro, o Secretário Estadual de Saúde, Felipe Peixoto, esteve em Paraíba do Sul para conhecer as dependências do Hospital Estadual de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu durante mais uma edição do mutirão de cirurgias do Hospital. Na ocasião, mais de 30 pacientes, que aguardavam na fila de espera, foram operados nas especialidades de mão e joelho durante a 16ª sexta edição do mutirão, ação que acontece desde julho de 2012 e já beneficiou 450 pessoas de diversos municípios do Rio de Janeiro.

O Secretário foi recebido pelo Diretor Executivo, Artur Hummel, e gerentes responsáveis pelo funcionamento da Casa. Esta foi a primeira vez que Felipe Peixoto, que assumiu a Secretaria Estadual de Saúde no começo deste ano, esteve no hospital. O objetivo da visita foi conhecer de perto a estrutura e acompanhar o trabalho dos profissionais de saúde.

Durante a visita, o Secretário conheceu mais detalhadamente o trabalho de vários setores: “Ainda não conhecia o HTO Dona Lindu, mas sempre ouvi falar muito bem daqui. Não poderia deixar de vir e conferir pessoalmente o trabalho brilhante desenvolvido por esta equipe maravilhosa. Este hospital representa uma mudança de lógica na saúde estadual, mostrando que o paciente do interior não precisa ir para a região metropolitana para ser atendido. Pelo contrário, o hospital é referência atendendo pacientes de toda região metropolitana diariamente”, elogiou o Secretário.

O que foi notícia no HTODL

Os colaboradores que fazem parte do grupo de brigadistas do Hospital de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu (HTODL) foram submetidos, no mês de março, ao treinamento de reciclagem em procedimentos de primeiros socorros e práticas de prevenção e combate ao princípio de incêndio. O treinamento visa garantir a segurança dos pacientes, funcionários, visitantes e também do patrimônio. Participaram da ação 57 brigadistas do hospital.

Além da preocupação no combate ao incêndio, o HTO Dona Lindu, também está atento em manter um excelente sistema de prevenção fixa com a presença de hidrantes, caixas de incêndio e sinalização de rotas de fuga em todos os andares, além de promover investimentos na adequação das instalações elétricas e manutenção do sistema de gás.

O subtenente do Destacamento Bombeiro Militar 1-15 de Três Rios, Ailton Castro, foi um dos encarregados de ministrar o curso para os funcionários do hospital, e elogiou a participação dos colaboradores.

No mês de março, o HTODL também realizou o mutirão de cirurgias de joelho. A ação atendou pessoas de diferentes cidades do Estado, todos pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O diretor executivo do HTODL, Artur Hummel, ressalta que o papel principal do mutirão é reduzir o tempo de espera dos pacientes SUS, e que a estrutura avançada e a equipe de profissionais do hospital está preparada para garantir a segurança dos procedimentos.

“Já são quase dois anos realizando mutirões, e todos foram bem sucedidos. As cirurgias do hospital seguem o Protocolo de Cirurgia Segura, e a qualidade e os resultados das operações são sempre elogiados pelos pacientes, e isto é o mais importante para nós”, disse Hummel.

 

 

HTO Dona Lindu realiza simulação de desocupação em caso de incêndio

O Hospital de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu (HTODL) participou, no dia 29 de novembro, do Dia Estadual de Redução de Desastres no Estado do Rio de Janeiro, realizando a sua primeira simulação de desocupação em caso de incêndio. A ação envolveu alguns profissionais do HTODL, sem a participação de pacientes e acompanhantes. A simulação teve início às 11h, e foi finalizada com sucesso em pouco mais de quatro minutos, tempo considerado excelente para o tamanho do hospital. O atendimento ambulatorial, o centro cirúrgico, assim como as unidades de internação funcionaram normalmente.

A simulação de desocupação é uma iniciativa do governo do Estado, com a parceria da Secretaria de Estado de Defesa Civil (SEDEC) e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ). A prática foi coordenada pelo capitão Henrique Oliveira, do 15º Grupamento de Bombeiros Militar de Petrópolis, e que também é o oficial chefe dos bombeiros no HTODL. Além do capitão, outros bombeiros que atuam na unidade de saúde também auxiliaram os funcionários durante a ação.

De acordo com o capitão Henrique, o objetivo da simulação foi reduzir o percentual de pânico e ajudar a conscientizar os colaboradores para que se se movimentem de maneira segura durante o escape. A capacitação dos funcionários para a evacuação ordenada também contribui para uma atuação mais eficaz do corpo de bombeiros no combate ao fogo.

“É preciso inserir na cultura da população os treinamentos de prevenção de acidentes como sendo algo recorrente e importante para se evitar feridos nestas situações. Nos Estados Unidos, por exemplo, as simulações são comuns, principalmente em escolas e hospitais, onde o risco de pânico é ainda maior”, destacou o capitão do Corpo de Bombeiros.

Foram selecionados previamente pela equipe de bombeiros presente no hospital 11 colaboradores que comandaram a movimentação dos funcionários e a evacuação do prédio, entre eles estavam alguns funcionários que passaram pelo curso de brigadistas do Corpo de Bombeiro, em 2012. Em uma situação real, a desocupação deve ser imediata, e por isso, é fundamental que este grupo esteja sempre preparado para agir antes mesmo da presença dos bombeiros.

Os colaboradores que exercem esta função de liderança recebem as denominações de “Cabeça de fila”, “Cerra-fila”, e “Líder”, e foram responsáveis por três ações principais: se posicionaram nos locais estabelecidos como ponto de encontro nos andares; checaram os setores para verificar se não existiam funcionários que ficaram para trás; e organizaram e movimentaram a fila no momento da desocupação. O ponto de encontro externo foi ao lado do hospital, onde foi feita uma contagem geral, para que se certificasse que a ação foi bem sucedida.

Para o diretor executivo do HTO Dona Lindu, Artur Hummel, a simulação é fundamental para oferecer ainda mais segurança aos pacientes e profissionais do hospital. Segundo o diretor, as saídas de emergência e as rotas de fuga do hospital são bem sinalizadas, e ressalta que é preciso garantir a qualificação dos colaboradores para que saibam identificar as marcações e se orientem bem.

“A nossa intenção é que esta ação não seja isolada, mas ampliada e realizada outras vezes. O trabalho promovido pelo Corpo de Bombeiros recebe todo o nosso apoio e mobilização”, disse Hummel.

Em 2012, através de legislação estadual, o dia 29 de novembro foi instituído como data oficial para a realização do simulado em hospitais, escolas e outras edificações em todo o Estado, tendo realizado cerca de 100 evacuações, envolvendo 80 mil pessoas.