Semana da Qualidade do HST tem integração com outras Casas da ACSC

O Hospital Santa Teresa (RJ) promoveu, no fim de novembro, a 2º Semana da Qualidade e Segurança do Paciente do hospital, com o tema “aprendendo com a ciência da melhoria”.

Neste ano, houve uma integração entre as Casas do Rio de Janeiro, com apresentação de projetos da qualidade do Hospital de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu (RJ) e do(RJ), em dois dias do evento.

HTO Dona Lindu realiza simulação de desocupação em caso de incêndio

O Hospital de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu (HTODL) participou, no dia 29 de novembro, do Dia Estadual de Redução de Desastres no Estado do Rio de Janeiro, realizando a sua primeira simulação de desocupação em caso de incêndio. A ação envolveu alguns profissionais do HTODL, sem a participação de pacientes e acompanhantes. A simulação teve início às 11h, e foi finalizada com sucesso em pouco mais de quatro minutos, tempo considerado excelente para o tamanho do hospital. O atendimento ambulatorial, o centro cirúrgico, assim como as unidades de internação funcionaram normalmente.

A simulação de desocupação é uma iniciativa do governo do Estado, com a parceria da Secretaria de Estado de Defesa Civil (SEDEC) e o Corpo de Bombeiros Militar do Estado do Rio de Janeiro (CBMERJ). A prática foi coordenada pelo capitão Henrique Oliveira, do 15º Grupamento de Bombeiros Militar de Petrópolis, e que também é o oficial chefe dos bombeiros no HTODL. Além do capitão, outros bombeiros que atuam na unidade de saúde também auxiliaram os funcionários durante a ação.

De acordo com o capitão Henrique, o objetivo da simulação foi reduzir o percentual de pânico e ajudar a conscientizar os colaboradores para que se se movimentem de maneira segura durante o escape. A capacitação dos funcionários para a evacuação ordenada também contribui para uma atuação mais eficaz do corpo de bombeiros no combate ao fogo.

“É preciso inserir na cultura da população os treinamentos de prevenção de acidentes como sendo algo recorrente e importante para se evitar feridos nestas situações. Nos Estados Unidos, por exemplo, as simulações são comuns, principalmente em escolas e hospitais, onde o risco de pânico é ainda maior”, destacou o capitão do Corpo de Bombeiros.

Foram selecionados previamente pela equipe de bombeiros presente no hospital 11 colaboradores que comandaram a movimentação dos funcionários e a evacuação do prédio, entre eles estavam alguns funcionários que passaram pelo curso de brigadistas do Corpo de Bombeiro, em 2012. Em uma situação real, a desocupação deve ser imediata, e por isso, é fundamental que este grupo esteja sempre preparado para agir antes mesmo da presença dos bombeiros.

Os colaboradores que exercem esta função de liderança recebem as denominações de “Cabeça de fila”, “Cerra-fila”, e “Líder”, e foram responsáveis por três ações principais: se posicionaram nos locais estabelecidos como ponto de encontro nos andares; checaram os setores para verificar se não existiam funcionários que ficaram para trás; e organizaram e movimentaram a fila no momento da desocupação. O ponto de encontro externo foi ao lado do hospital, onde foi feita uma contagem geral, para que se certificasse que a ação foi bem sucedida.

Para o diretor executivo do HTO Dona Lindu, Artur Hummel, a simulação é fundamental para oferecer ainda mais segurança aos pacientes e profissionais do hospital. Segundo o diretor, as saídas de emergência e as rotas de fuga do hospital são bem sinalizadas, e ressalta que é preciso garantir a qualificação dos colaboradores para que saibam identificar as marcações e se orientem bem.

“A nossa intenção é que esta ação não seja isolada, mas ampliada e realizada outras vezes. O trabalho promovido pelo Corpo de Bombeiros recebe todo o nosso apoio e mobilização”, disse Hummel.

Em 2012, através de legislação estadual, o dia 29 de novembro foi instituído como data oficial para a realização do simulado em hospitais, escolas e outras edificações em todo o Estado, tendo realizado cerca de 100 evacuações, envolvendo 80 mil pessoas.