CSC-JF celebra premiação de professores

No início de dezembro, o professor Dario Pereira (Educação Física) e professor Haroldo Carvalhido (Xadrez) – ambos do Colégio Santa Catarina (JF) – receberam o 2015.

O Dario ganhou na categoria dirigente esportivo estudantil e o Haroldo representou o colégio na categoria Xadrez por equipe, homenagem pelo título de Campeão Mundial de Xadrez Escolar, conquistado este ano pelos alunos do colégio.

 

Educadoras do CSC-JF realizam orientação vocacional

O (JF) desenvolve, há alguns anos, um trabalho de orientação vocacional e profissional voltado a alunos do 2º e 3º anos do Ensino Médio. São dois grupos de trabalho ao longo do ano: um a cada semestre, com encontros semanais a partir de março e agosto, respectivamente.

Ao fim dos encontros com os estudantes, as profissionais que coordenam o projeto promovem um bate-papo com os pais para falar sobre o que foi observado dos jovens ao longo do processo.

Graças ao sucesso do projeto, desde o ano passado, a oportunidade foi estendida a alunos de outras escolas também. As inscrições são feitas no início do ano letivo, na Secretaria do colégio.

 

Aluno do CSC-JF cria histórias em quadrinhos

Apaixonado por desenho e leitura, o estudante João Pedro Meireles, 10 anos, do 5º ano do Colégio Santa Catarina (JF), resolveu criar sua própria galeria de figuras para ilustrar trabalhos escolares e fazer histórias em quadrinhos.

O estudante conta que sempre foi estimulado pelos pais a ler bastante. O que resultou, também no gosto por criar histórias.  Em folhas caprichosamente desenhadas e bem escritas, João Pedro escreve a história de seis personagens, a quem ele chama de Bolotas.

Ensino à distância no CSC-JF

Recentemente, o Ministério da Educação (MEC) aprovou o Colégio Santa Catarina, em Juiz de Fora, como pólo de ensino à distância.

Funcionará em parceria com a Universidade Católica de Brasília e englobará cursos de graduação e pós-graduação em diversas áreas.

O aproveitamento do Colégio foi de 80%, considerando que a nota máxima é 5.

Parabéns ao CSC pela conquista!

Alunos do CSC-JF participam da plenária final da Câmara Mirim 2015

Chegou ao fim a edição 2015 da Câmara Mirim, um projeto de educação cidadã promovido pela Câmara Municipal de Juiz de Fora. Na primeira quinzena de setembro, um grupo de dez alunos do Colégio Santa Catarina (CSC-JF) participou da plenária final, realizada no Palácio Barbosa Lima, junto com estudantes de outras nove escolas.

Os vereadores mirins selecionaram seis propostas que serão entregues à Mesa Diretora da casa, no dia 11 de novembro. A partir daí, as sugestões elaboradas pelos jovens podem se transformar em projetos de lei e requerimentos. O tema proposto para discussão este ano foi “Educação de Qualidade e Ação Cidadã”, desmembrado em dois subtemas: para uma cultura de paz e para uma participação política dos estudantes.

Antes de iniciar a votação, os estudantes foram saudados pelo vice-presidente da Câmara, vereador José Márcio, que incentivou os adolescentes a participarem das discussões políticas e de todos os debates que possam influenciar a vida da população. Nesse encontro, os vereadores mirins puderam excluir, aglutinar e modificar propostas. O documento final consta de seis propostas – três para cada subtema – com destaque para questões como ampliação das escolas em tempo integral e inclusão de atividades extraclasse, como esporte, música, teatro e dança.

A história da mulher é tema de evento no CSC-JF

Em setembro, o salão de esportes do Colégio Santa Catarina (CSC-JF) se transformou em uma grande passarela, por onde alunos desfilaram com trajes típicos e performances contagiantes para contar a história da mulher ao longo das décadas, desde os anos de 1940 até o século XXI.

O evento, coordenado pelo Núcleo Cultural Madre Regina Protmann, por intermédio do professor Leandro Almeida, contou com a presença da diretora geral, Irmã Ernestina Lemos, da diretora pedagógica Izabel Nunes, da supervisora do Ensino Médio, Mariângela Lacerda, da professora de Literatura Cláudia Paixão, e de toda a equipe de instrutores da Escola de Música do colégio, além dos alunos do 9º ano e do Ensino Médio.

“O objetivo desse evento é promover um espaço onde nossos alunos tenham a oportunidade de desenvolver trabalhos interdisciplinares que se dedicam à música, política, artes, teatro e cinema e, desde 2012, o CSC conta com esse espaço dialógico. Neste evento, especificamente dedicado às mulheres, convidamos o público presente a percorrer um interessante caminho conosco e, para isso, revisitamos a história, começando pelos anos de 1940 e chegando até a contemporaneidade”, explicou Leandro, idealizador da ação.

Projeto do CSC-JF presta orientações sobre alimentação saudável

O Colégio Santa Catarina, em Juiz de Fora, mantém um projeto chamado “Educação dos sentimentos”, que busca ajudar alunos dos 8º e 9º anos do Ensino Fundamental a lidarem com a ansiedade.

Recentemente, as nutricionistas Anelisa Rezende e Priscila Goretti foram convidadas para um bate-papo com os estudantes e puderam dar dicas sobre alimentação saudável, a importância de não ir para a escola de estômago vazio e de comer de três em três horas. A adolescência é uma fase marcada por conflitos e intensidade. É uma etapa intermediária do desenvolvimento humano, entre a infância e a fase adulta, marcada por diversas transformações corporais, hormonais e até mesmo comportamentais. E nesse turbilhão de mudanças, muitos problemas vêm à tona por causa da ansiedade, entre eles distúrbios alimentares. Por isso, a importância desse diálogo.

Além do bate-papo informal e elucidativo, foram abordados alguns mitos e verdades sobre alimentação, como, por exemplo, que jantar engorda, que tomar líquido durante as refeições atrapalha a digestão, que nem sempre magreza é sinal de ser saudável e vários outros temas. Ao fim de cada palestra, as nutricionistas sortearam entre os alunos kits com mix de sementes, cookies e cupcakes integrais. E no intervalo entre uma turma e outra, foi a vez de os alunos retribuírem o carinho, oferecendo um lanche saudável às profissionais.

  

Vôlei após o expediente reúne colaboradores do CSC-JF

Com o objetivo de unir ainda mais os colaboradores e propiciar momentos de descontração, cerca de 25 pessoas, de diversas áreas, têm se reunido uma vez por semana para jogar vôlei no ginásio do Colégio Santa Catarina, em Juiz de Fora, após o expediente.

Atualmente, as aulas acontecem às quartas-feiras, das 18h às 19h30, mas, a partir de outubro, também acontecerão às segundas, por demanda dos próprios participantes, que estão adorando a iniciativa.  “Fazemos uma primeira parte de aquecimento, para o corpo começar a movimentar, depois alguns exercícios pedagógicos, porque muita gente não jogava há muito tempo, e terminamos com o coletivo”, explica a professora Cláudia Assis, coordenadora da área de Educação Física, que também conta sobre o retorno da ação, que vem sendo melhor do que o esperado.

Vários colaboradores têm trocado horários de compromissos para poder participar e aprovam a iniciativa, que já é conhecida por todos e promete ir cada vez mais longe.

Iniciativa em defesa do meio ambiente

Gabriela Benita Winand, de 9 anos, aluna do 4º ano do Ensino Fundamental do Colégio Santa Catarina (MG), é uma dessas pessoas que enchem todos de esperança na busca por um mundo melhor. Ao aprender sobre a poluição do ar e da água e as consequências disso para a vida na Terra, a menina resolveu agir: imprimiu um texto e saiu batendo de porta em porta no prédio onde mora colhendo assinaturas dos vizinhos que se comprometiam a fazer algo em prol do meio ambiente.

“Depois que a gente estudou sobre a água, a professora passou um vídeo que me comoveu muito, falando sobre os problemas que a população enfrentaria se a água potável acabasse e eu não quero que isso aconteça. Por isso decidi fazer esse abaixo-assinado, para fazer a minha parte.”, explica a estudante.

A família da Gabi apoiou a ideia da menina que, além do abaixo-assinado, resolveu também distribuir bottons para quem assinasse o documento. Os “broches” foram feitos de forma manual pela garota, que cortou os papéis, desenhou e escreveu um por um. Contente com o resultado do movimento que criou, a estudante resolveu fazer o mesmo para alertar as pessoas sobre os riscos da poluição atmosférica. “A gente aprendeu que a poluição afeta a camada de ozônio e, com isso, está havendo um aquecimento global. Aí, dei continuidade e fiz mais um abaixo-assinado também contra a poluição do ar”.

Por uma vida melhor

A equipe pedagógica do Ensino Fundamental I, do Colégio Santa Catarina (MG), realizou, no início do mês, mais uma ação com os alunos de 1º ao 5º anos dentro do projeto “Por uma vida melhor”, cujo objetivo é despertar nas crianças a prática dos bons costumes, como o respeito ao próximo e o cuidado com o meio ambiente.  A iniciativa faz parte de um grande projeto de Sustentabilidade que a escola implantou este ano envolvendo funcionários e alunos.

Na ocasião, dois representantes de cada uma das 24 turmas do segmento escolar distribuíram panfletos com dicas saudáveis na escola e no entorno dela. As crianças, acompanhadas de um grupo de educadoras, percorreram comércios, prédios e abordaram pedestres e motoristas que passavam em frente ao colégio.

Quem participou da panfletagem tinha uma mensagem pronta e na ponta da língua: “As pessoas devem melhorar o mundo e nós devemos corrigir quem não age certo. É por isso que entregamos esses panfletos hoje. No que eu fiz, eu coloquei que ninguém deve jogar lixo no chão, porque deixa a cidade suja, entope bueiro e, dependendo do material descartado, como o vidro, por exemplo, pode machucar alguém”, afirma Maria Olívia Tomás Grigorosque, de 8 anos.

O nome do projeto, “Por uma vida melhor”, foi escolhido para simplificar o entendimento das crianças. As educadoras contam que a meta é trabalhar com o projeto o ano todo. A previsão é que os trabalhos terminem no dia de Santa Catarina, 25 de novembro, quando será mostrado tudo o que foi desenvolvido ao longo do ano.

Câmara Mirim 2015 apresenta propostas sobre Educação de Qualidade e Ação Cidadã

Representantes da 8ª série do Colégio Santa Catarina (MG), junto com estudantes de outras nove escolas da cidade, estiveram reunidos na Câmara Municipal, no início deste mês, para apresentar propostas sobre Educação de Qualidade e Ação Cidadã, tema proposto para debate nesta edição da Câmara Mirim.

Cada escola elaborou duas propostas de lei, uma para cada subtema, que são, respectivamente, “para uma cultura da paz” e “para uma participação política”.

A Câmara Mirim é uma iniciativa criada e desenvolvida pelo Legislativo de Juiz de Fora desde 2009. Segundo o coordenador do projeto, o objetivo é promover educação para a cidadania dos estudantes de Ensino Fundamental, criando oportunidades para que os alunos compreendam como funcionam as instituições políticas e as funções dos poderes constituídos.

Alunos assistem recital especial no CSC-JF

Os instrutores da Escola de Música do Colégio Santa Catarina (CSC) promoveram, recentemente, dois dias de recital para os alunos matriculados nas aulas de música. A  iniciativa teve por objetivo aprimorar o gosto musical do aluno. “É importante que o aprendiz veja o seu professor executando o instrumento com mais técnica. No recital, ele enxerga o professor como um artista: observa sua postura no palco, a forma de se vestir e outras coisas Além disso, o estudante tem a oportunidade de ouvir um instrumento diferente daquele que está aprendendo”, explica a coordenadora da ESMU, maestrina Patrícia Guimarães.

Na ocasião, os instrutores Bethânia Guedes (teclado), Frederico Grünewald e Leandro Miranda (violão), Janice Vallo (flauta) e Mila Chaubah (violino) apresentaram-se para os alunos com nove canções.

Canções como ‘Passa, passa, Gavião’, ‘Prelude nº 3’ e ‘Bachianas’, de Villa-Lobos, ‘Serenata à brasileira’, do compositor Carlos Viana de Almeida, ‘Sunburst’, do guitarrista americano Andrew York e ‘Can you fell the Love tonight’, do filme O Rei Leão, e ‘Um mundo ideal’, do filme Alladin foram as apresentadas aos alunos.

Os instrutores da Escola de Música do Colégio Santa Catarina (CSC) promoveram, recentemente, dois dias de recital para os alunos matriculados nas aulas de música. A  iniciativa teve por objetivo aprimorar o gosto musical do aluno. “É importante que o aprendiz veja o seu professor executando o instrumento com mais técnica. No recital, ele enxerga o professor como um artista: observa sua postura no palco, a forma de se vestir e outras coisas Além disso, o estudante tem a oportunidade de ouvir um instrumento diferente daquele que está aprendendo”, explica a coordenadora da ESMU, maestrina Patrícia Guimarães.

 

Na ocasião, os instrutores Bethânia Guedes (teclado), Frederico Grünewald e Leandro Miranda (violão), Janice Vallo (flauta) e Mila Chaubah (violino) apresentaram-se para os alunos com nove canções.

 

Canções como ‘Passa, passa, Gavião’, ‘Prelude nº 3’ e ‘Bachianas’, de Villa-Lobos, ‘Serenata à brasileira’, do compositor Carlos Viana de Almeida, ‘Sunburst’, do guitarrista americano Andrew York e ‘Can you fell the Love tonight’, do filme O Rei Leão, e ‘Um mundo ideal’, do filme Alladin foram as apresentadas aos alunos.

Professora cria personagem lúdico para potencializar aprendizado de Geografia

A palavra ‘lúdico’ vem do latim e significa brincar. Logo, podemos concluir que a função educativa de uma ferramenta lúdica é proporcionar à criança o contato com o saber de forma prazerosa e, ao mesmo tempo, necessária para a sua formação intelectual. Dessa forma, por meio das brincadeiras e outros divertimentos, a criança pode aprender e apreender elementos essenciais para sua compreensão e conhecimento sobre o mundo. Foi pensando nisso que a professora Michele Cardoso, que integra o corpo docente do Ensino Fundamental I do Colégio Santa Catarina (MG), resolveu criar um personagem a fim de tornar o aprendizado de Geografia e História mais atraente e eficaz.

E a ideia deu muito certo. Tudo começou este ano, quando Michele, que era professora do 2oa ano, foi trabalhar com os alunos do 4º ano. Quando assumiu o desafio de lecionar para crianças mais velhas, de cara ficou responsável por fazer o planejamento das disciplinas de Geografia e História. “As outras professoras falavam que era muito difícil trabalhar essas duas matérias porque o conteúdo é denso, e na hora de cobrar é difícil. Então, eu pensei em fazer algo diferente, para dar uma sacudida. Como eu gosto muito de história e literatura, propus criarmos um personagem para introduzir os conteúdos”. Ela reformou um boneco de marionete que tinha em casa e o batizou de ‘Marianinho’, em homenagem ao engenheiro Mariano Procópio.

A primeira aula para apresentar Marianinho reuniu as cinco turmas de 4º ano. “A professora Alexandra, que é bem animada, interpretou o Marianinho. Ele chegou, apresentou-se como uma criança que gosta muito de viajar pelo tempo e disse que tem uma bicicleta especial, que lhe oferece a oportunidade de fazer viagens mágicas no tempo. As turmas ficaram apaixonadas com essa situação”, conta Michele, explicando que em vários momentos o trabalho foi interdisciplinar. “Juntamos com o Português, pois, na época, estávamos trabalhando um poema sobre bicicleta e isso só acrescentou. Os alunos amaram e as professoras ficaram empolgadíssimas. Foi uma coisa nova com um efeito super legal”.

A partir dessa primeira aula, as professoras começaram a inserir os conteúdos. Em História e Geografia, elas trabalham o conceito – zona rural e zona urbana, por exemplo – e trazem isso para a nossa realidade. Vários conteúdos foram introduzidos aproveitando o aspecto lúdico do Marianinho, como se ele estivesse narrando suas histórias de viagem ao passado. Desta forma, as professoras trabalharam também a questão da água, fazendo associação com o Rio Paraibuna – como ele era no passado, o que é hoje e perspectivas de futuro – e puxando o gancho para falar de meio ambiente, usando a interdisciplinaridade mais uma vez, com matéria de Ciências.

“Houve uma identificação muito forte com o personagem que é criança, que gosta de História e Geografia. Isso deu um pontapé para a proposta, que foi muito bem recebida por todos. Eles ficaram interessados e com muita vontade de aprender”, destaca Michele.

As outras professoras do 4º ano que contribuem de forma tão significativa nesta proposta são: Alessandra Eiterer, Alexandra Bonaldi, Aline Loures e Rita Martins. A supervisora delas é Rosângela Teixeira.

Projeto ‘Por uma vida melhor’ estimula a prática de boas ações entre alunos do Ensino Fundamental

Alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental do Colégio Santa Catarina (MG) aderiram ao projeto “Por uma vida melhor”, cujo objetivo é despertar nas crianças a prática dos bons costumes, como o respeito ao próximo e o cuidado com o meio ambiente. A iniciativa faz parte de um projeto maior, de sustentabilidade, que a escola implantou este ano envolvendo colaboradores e alunos em diversas ações. O nome “Por uma vida melhor” foi adotado de forma a simplificar o entendimento para as crianças. “O termo ‘sustentabilidade’ é difícil de ser assimilado. Por isso buscamos algo mais fácil, mas nossas ações estão todas voltadas para a sustentabilidade”, explica Sandra Mautoni, uma das supervisoras do Ensino Fundamental I.

Durante o lançamento do projeto, os alunos assistiram a um vídeo sobre a importância da água para a vida em nosso planeta e, em seguida, participaram de uma contação de história sobre um passarinho que, durante um incêndio na floresta, resolve encher seu biquinho de água no riacho e fazer a sua parte, ainda que pequena, para tentar salvar seu habitat natural. O momento ficou ainda mais lúdico e marcante com a presença da professora de Literatura Infantil, Marcela Surerus, que entrou de surpresa no salão caracterizada de passarinho, o protagonista da historinha.

Aproveitando a mensagem da contação de história, a supervisora Rosângela Teixeira explicou um pouco mais sobre o projeto aos estudantes. “Quem aderir ao projeto ‘Por uma vida melhor’ tem que respeitar o coleguinha, não pode ver um lixo no chão e, só porque não foi você que jogou, passar direto e deixar pra lá. Eu não posso fazer minha adesão ao projeto e não me comprometer a fazer a minha parte para melhorar o mundo em que vivo, ainda que a minha parte seja uma pequena gota no oceano. Mas imagina se cada um contribuísse com uma gotinha? O mundo estaria bem melhor, com menos poluição, menos lixo nas ruas, menos violência. Quem entrar nessa com a gente tem que ter atitudes coerentes com o projeto”, destacou.

Câmara Mirim 2015 do CSC (MG) toma posse no Legislativo

Os representantes do Colégio Santa Catarina (MG) na edição 2015 da Câmara Mirim tomaram posse no dia 11 de junho, em cerimônia realizada no plenário do Legislativo. Cerca de 150 alunos dos 8º e 9º anos do Ensino Fundamental de dez escolas de Juiz de Fora participaram da sessão, em que o presidente da casa, vereador Rodrigo Mattos, fez a abertura oficial dos trabalhos.

Durante a cerimônia, os estudantes assistiram a um vídeo com informações sobre edições anteriores da Câmara Mirim e seus objetivos. O coordenador do projeto, Sérgio Dutra, agradeceu a direção das escolas envolvidas, cuja contribuição é imprescindível para a realização dos trabalhos. “A Câmara Mirim é uma iniciativa criada e desenvolvida por esta casa legislativa desde 2009. Tem como objetivo promover educação para a cidadania dos estudantes de Ensino Fundamental, criando-lhes oportunidades para compreenderem como funcionam nossas instituições políticas e as funções dos poderes constituídos”.

Sérgio ainda destacou uma novidade introduzida na edição deste ano: a escolha do tema a ser debatido será feita pelos próprios adolescentes. São dois os assuntos sugeridos para discussão. O primeiro é ‘Educação de Qualidade e Ação Cidadã’, com dois subtemas: para uma cultura de paz; para uma participação política dos estudantes. O outro é ‘Qualidade de Vida e Meio Ambiente’, com os subtemas: recursos hídricos e responsabilidade social; e consumo consciente.

No dia 20 de junho, cerca de cem estudantes de dez escolas de Juiz de Fora estiveram reunidos no Colégio Santa Catarina para definição do tema a ser discutido na edição 2015 da Câmara Mirim. Após assistirem à explanação dos professores sobre a importância de cada assunto proposto, os estudantes participaram de uma dinâmica de integração. Em seguida, foram divididos em grupos para debater separadamente cada uma das ideias. Quando todos se encontraram novamente no Salão de Esportes, os adolescentes elegeram, por 95 votos a 9, o tema ‘Educação de Qualidade e Ação Cidadã’ para ser o centro dos trabalhos dos vereadores mirins.

Orientação Vocacional no Colégio Santa Catarina de Juiz Fora

Em 2014, o Colégio Santa Catarina de Juiz de Fora abrirá uma oportunidade para alunos que não estudam na escola. Trata-se da orientação vocacional e profissional.

O Colégio Santa Catarina vem desenvolvendo, ao longo dos anos, um trabalho de Orientação Vocacional e Profissional para alunos do 2º e 3º ano do ensino médio.

A procura deste serviço tem crescido devido a um panorama complexo no contexto da escolha profissional. Por isso, em 2014, o CSC abrirá inscrições para alunos que não estudam na escola.

As vagas são limitadas e as inscrições serão de 5 a 28 de fevereiro. O início da orientação está previsto para o mês de março.

 

Outras informações:

* Para alunos do 2º e 3º anos do Ensino Médio, que não estudam no Santa Catarina.

* Vagas limitadas de acordo com a ordem de inscrição.

* Inscrições na Secretaria do colégio, de 05/02 a 28/02.

* Valor de R$ 350,00 pago na Tesouraria do colégio.

* Início dos encontros em março, no período da tarde.

*De 10 a 12 encontros, sendo um encontro semanal, com duração de uma hora e meia.

* O trabalho será desenvolvido pelas psicólogas do CSC, Maria Fernanda Pedroso e Anna Paula Gomes da Silva, e pela coordenadora pedagógica Mariangela de Lacerda Guedes.

Criatividade que surpreende

Os professores Beatriz Makla (Matemática) e Fernando Martins (Língua Portuguesa), do Colégio Santa Catarina (CSC) de Juiz de Fora, promoveram um projeto interdisciplinar feito por alunos da 5ª série e, deu tão certo, que virou livro. O título, “Poemetria”, foi escolhido em votação pelos próprios estudantes. Com poemas escritos e ilustrados pelos alunos, o livro, cujos personagens são figuras geométricas, teve a capa, produzida pelo artista plástico Gerson Guedes, que é pai de um dos alunos.

Capa do livro feita por um pai de aluno do CSC

O lançamento aconteceu, em dezembro, no próprio colégio em uma cerimônia apenas para os alunos envolvidos. Cada estudante teve direito a dois exemplares e os que restaram serão vendidos em algumas livrarias da cidade, a serem definidas.

Professora reunida com os alunos na sala de aula

Os alunos das 5ª e 6ª séries do CSC também surpreenderam nas aulas específicas de redação, ministradas pela professora de Português Renata Pereira Zaidan, que conta que alguns textos são incríveis. “Tem aluno com uma criatividade tão bacana e cabe a nós explorar isso ao máximo”, revela.

Aluno praticando o que aprende durante as aulas

A docente explica que um dos objetivos da iniciativa foi pensando no futuro, quando os alunos forem fazer o Enem. Cada turma tem duas aulas de redação por semana e, para averiguar o aprendizado, o CSC também instituiu uma prova de redação.

60 anos do Ambulatório da Glória

Foi com alegria que o Colégio Santa Catarina de Juiz de Fora e a Congregação dos Redentoristas comemoraram os 60 anos do Ambulatório da Glória. Coordenado desde 2004 pelas Irmãs da Congregação de Santa Catarina, o Ambulatório mantém até hoje a herança de caridade de Madre Regina Protmann e da Congregação Redentorista – sua fundadora.

Cerca de 10 mil pessoas são assistidas por ano. A obra sobrevive sem ajuda de nenhum órgão público e tudo o que recebe é proveniente de doação de pessoas de boa vontade, em especial, da colaboração de fiéis da Paróquia de Nossa Senhora da Glória.  Presta assistência médica, odontológica, farmacêutica, jurídica, religiosa e psicológica. Além disso, também são distribuídos enxovais de bebê, cestas básicas e medicamentos.