Crianças aprendem sobre o Folclore de maneira divertida na CMR

A Creche Madre Regina (CE) celebrou o Folclore no mês de agosto. O objetivo principal da ação foi desenvolver o interesse pela cultura e por brincadeiras folclóricas e, com isso, favorecer o relacionamento interpessoal.

Com as cantigas de roda, as crianças têm a oportunidade de trabalhar com ritmos, conhecer letras diversificadas de músicas e ampliar o vocabulário, além de conhecer músicas e lembranças que foram vivenciadas no passado.

Para marcar esse trabalho, cada turma fez apresentações como, por exemplo, cantigas de roda, a dança do Bumba Meu Boi, a história do Curupira, a dramatização da música “a Linda Rosa Juvenil”, bem como as lendas folclóricas. Foi um momento de muita descontração e aprendizagem!

Sustentabilidade: CSC-JF implanta sistema para captação de água da chuva

Com a grave crise hídrica que o Brasil está passando, algumas providências são necessárias e, pensando nisso, o Colégio Santa Catarina de Juiz de Fora (MG) investiu em um sistema que capta a água pluvial, com capacidade para armazenar até 30 mil litros. A água coletada é utilizada na descarga dos banheiros, na irrigação da horta e jardins e na lavação dos pátios do colégio, o que gera uma economia de 6,5% na conta de água.

Com cerca de 2.500 pessoas, entre alunos e funcionários, a iniciativa faz uma grande diferença e já contou com diversas ações. Uma delas, realizada no dia 22 de março, marcou as comemorações pelo Dia Mundial da Água. Estudantes de diversas séries fizeram o plantio de 120 mudas de árvores para proteger nascentes d’água no Parque da Lajinha. Além disso, outras atividades têm buscado conscientizar crianças e jovens quanto ao uso consciente da água, sobre coleta seletiva, reciclagem e outros assuntos afins.

 “O importante é destacar a contribuição do colégio para o meio ambiente e a lição pedagógica por trás disso tudo”, comenta Artur Giovannini, Diretor Executivo do CSC.

Iniciativa em defesa do meio ambiente

Gabriela Benita Winand, de 9 anos, aluna do 4º ano do Ensino Fundamental do Colégio Santa Catarina (MG), é uma dessas pessoas que enchem todos de esperança na busca por um mundo melhor. Ao aprender sobre a poluição do ar e da água e as consequências disso para a vida na Terra, a menina resolveu agir: imprimiu um texto e saiu batendo de porta em porta no prédio onde mora colhendo assinaturas dos vizinhos que se comprometiam a fazer algo em prol do meio ambiente.

“Depois que a gente estudou sobre a água, a professora passou um vídeo que me comoveu muito, falando sobre os problemas que a população enfrentaria se a água potável acabasse e eu não quero que isso aconteça. Por isso decidi fazer esse abaixo-assinado, para fazer a minha parte.”, explica a estudante.

A família da Gabi apoiou a ideia da menina que, além do abaixo-assinado, resolveu também distribuir bottons para quem assinasse o documento. Os “broches” foram feitos de forma manual pela garota, que cortou os papéis, desenhou e escreveu um por um. Contente com o resultado do movimento que criou, a estudante resolveu fazer o mesmo para alertar as pessoas sobre os riscos da poluição atmosférica. “A gente aprendeu que a poluição afeta a camada de ozônio e, com isso, está havendo um aquecimento global. Aí, dei continuidade e fiz mais um abaixo-assinado também contra a poluição do ar”.

Por uma vida melhor

A equipe pedagógica do Ensino Fundamental I, do Colégio Santa Catarina (MG), realizou, no início do mês, mais uma ação com os alunos de 1º ao 5º anos dentro do projeto “Por uma vida melhor”, cujo objetivo é despertar nas crianças a prática dos bons costumes, como o respeito ao próximo e o cuidado com o meio ambiente.  A iniciativa faz parte de um grande projeto de Sustentabilidade que a escola implantou este ano envolvendo funcionários e alunos.

Na ocasião, dois representantes de cada uma das 24 turmas do segmento escolar distribuíram panfletos com dicas saudáveis na escola e no entorno dela. As crianças, acompanhadas de um grupo de educadoras, percorreram comércios, prédios e abordaram pedestres e motoristas que passavam em frente ao colégio.

Quem participou da panfletagem tinha uma mensagem pronta e na ponta da língua: “As pessoas devem melhorar o mundo e nós devemos corrigir quem não age certo. É por isso que entregamos esses panfletos hoje. No que eu fiz, eu coloquei que ninguém deve jogar lixo no chão, porque deixa a cidade suja, entope bueiro e, dependendo do material descartado, como o vidro, por exemplo, pode machucar alguém”, afirma Maria Olívia Tomás Grigorosque, de 8 anos.

O nome do projeto, “Por uma vida melhor”, foi escolhido para simplificar o entendimento das crianças. As educadoras contam que a meta é trabalhar com o projeto o ano todo. A previsão é que os trabalhos terminem no dia de Santa Catarina, 25 de novembro, quando será mostrado tudo o que foi desenvolvido ao longo do ano.

Câmara Mirim 2015 apresenta propostas sobre Educação de Qualidade e Ação Cidadã

Representantes da 8ª série do Colégio Santa Catarina (MG), junto com estudantes de outras nove escolas da cidade, estiveram reunidos na Câmara Municipal, no início deste mês, para apresentar propostas sobre Educação de Qualidade e Ação Cidadã, tema proposto para debate nesta edição da Câmara Mirim.

Cada escola elaborou duas propostas de lei, uma para cada subtema, que são, respectivamente, “para uma cultura da paz” e “para uma participação política”.

A Câmara Mirim é uma iniciativa criada e desenvolvida pelo Legislativo de Juiz de Fora desde 2009. Segundo o coordenador do projeto, o objetivo é promover educação para a cidadania dos estudantes de Ensino Fundamental, criando oportunidades para que os alunos compreendam como funcionam as instituições políticas e as funções dos poderes constituídos.

Alunos assistem recital especial no CSC-JF

Os instrutores da Escola de Música do Colégio Santa Catarina (CSC) promoveram, recentemente, dois dias de recital para os alunos matriculados nas aulas de música. A  iniciativa teve por objetivo aprimorar o gosto musical do aluno. “É importante que o aprendiz veja o seu professor executando o instrumento com mais técnica. No recital, ele enxerga o professor como um artista: observa sua postura no palco, a forma de se vestir e outras coisas Além disso, o estudante tem a oportunidade de ouvir um instrumento diferente daquele que está aprendendo”, explica a coordenadora da ESMU, maestrina Patrícia Guimarães.

Na ocasião, os instrutores Bethânia Guedes (teclado), Frederico Grünewald e Leandro Miranda (violão), Janice Vallo (flauta) e Mila Chaubah (violino) apresentaram-se para os alunos com nove canções.

Canções como ‘Passa, passa, Gavião’, ‘Prelude nº 3’ e ‘Bachianas’, de Villa-Lobos, ‘Serenata à brasileira’, do compositor Carlos Viana de Almeida, ‘Sunburst’, do guitarrista americano Andrew York e ‘Can you fell the Love tonight’, do filme O Rei Leão, e ‘Um mundo ideal’, do filme Alladin foram as apresentadas aos alunos.

Os instrutores da Escola de Música do Colégio Santa Catarina (CSC) promoveram, recentemente, dois dias de recital para os alunos matriculados nas aulas de música. A  iniciativa teve por objetivo aprimorar o gosto musical do aluno. “É importante que o aprendiz veja o seu professor executando o instrumento com mais técnica. No recital, ele enxerga o professor como um artista: observa sua postura no palco, a forma de se vestir e outras coisas Além disso, o estudante tem a oportunidade de ouvir um instrumento diferente daquele que está aprendendo”, explica a coordenadora da ESMU, maestrina Patrícia Guimarães.

 

Na ocasião, os instrutores Bethânia Guedes (teclado), Frederico Grünewald e Leandro Miranda (violão), Janice Vallo (flauta) e Mila Chaubah (violino) apresentaram-se para os alunos com nove canções.

 

Canções como ‘Passa, passa, Gavião’, ‘Prelude nº 3’ e ‘Bachianas’, de Villa-Lobos, ‘Serenata à brasileira’, do compositor Carlos Viana de Almeida, ‘Sunburst’, do guitarrista americano Andrew York e ‘Can you fell the Love tonight’, do filme O Rei Leão, e ‘Um mundo ideal’, do filme Alladin foram as apresentadas aos alunos.

Campanha Criança Solidária 2015 no CSC-SP

Reforçar e vivenciar o ideal cristão e um estilo de vida enriquecido por nobres valores são motivações atuais e necessárias que fazem com que o Colégio Santa Catarina (SP) articule, por meio da Pastoral Escolar, a “Campanha Criança Solidária 2015”.

Durante esse período, alunos e colaboradores refletem sobre como ser um dom para as pessoas e doam um brinquedo em bom estado para ser entregue às crianças de algumas instituições da cidade de São Paulo.

Crianças comemoram a “Semana da Pátria” nas creches

As crianças das creches Madre Regina (CE) e Santa Catarina, em Petrópolis (RJ), comemoraram o 7 de setembro por meio de desfiles e projetos pedagógicos realizados em sala de aula.

Na Creche Madre Regina, durante toda a Semana da Pátria, foi realizado com as crianças o hasteamento da bandeira ao som do Hino Nacional e, em seguida, tocado o Hino da Independência. Nas salas, as professoras vivenciaram um projeto denominado “Nossa Pátria”, onde tiveram a oportunidade de conhecer a história do País e identificar os símbolos nacionais mediante a utilização de filmes e músicas relacionadas ao tema. A semana foi encerrada com um lindo momento cívico, onde as crianças se vestiram de verde e amarelo para desfilar.

A Creche Santa Catarina participou de um desfile cívico em parceria com o Colégio São José. O evento contou com a participação dos alunos da creche e da pré-escola, além dos alunos do CSJ. Após a apresentação, todos se deslocaram para o Ginásio Esportivo do São José, onde houve um ato cívico com a execução do Hino Nacional Brasileiro e apresentação da Banda Marcial Professor Amadeu Guimarães.

XIV Semana Esportiva do Ensino Médio no CSC (MG)

Foi realizada no início de julho a abertura da XIV Semana Esportiva do Ensino Médio do Colégio Santa Catarina (MG). O evento, realizado no ginásio poliesportivo, contou com a presença de pais de alunos do 3º ano, além de professores e estudantes. A apresentação das turmas de 1º e 2º anos foi baseada no tema da Campanha da Fraternidade 2015: “Fraternidade: Igreja e Sociedade”, cujo lema é “Eu vim para servir”. Já os estudantes do 3º ano, que se despedem do colégio, escolheram fazer uma homenagem à amiga Thaís Varandas, morta em fevereiro. A apresentação deles, carregada de emoção, recebeu o título de ‘Estrela de Luz’.

Com camisas coloridas – cada turma foi representada por uma cor – os estudantes do Ensino Médio lotaram as arquibancadas do ginásio e fizeram um show à parte, com muita energia e alegria. Os estudantes do 1º e 2º anos tiveram de encenar diferentes formas de servir ao próximo. Com apresentação elaborada pelo professor Dario Filho, bem ensaiada e ao som da música “Coração de estudante”, os estudantes do 3º ano iniciaram um desfile formando um enorme coração e fizeram movimentos imitando o pulsar do coração. Dando sequência à cerimônia, foi feita a entrada solene das bandeiras e a execução do hino nacional. Logo em seguida foi feito o juramento dos atletas, que prometeram manter uma conduta cidadã durante os jogos. E como não podia faltar numa Olimpíada, os estudantes receberam a tocha olímpica.

Finalizando o espetáculo, os estudantes fizeram uma coreografia formando no centro do ginásio uma enorme estrela, a Estrela de Luz que ficará guardada para sempre na memória de todos que conviveram com a doce Thaís. Durante o movimento para formar o símbolo, a estudante Marcella Victer cantou a música “Estrela de Luz”, de autoria do professor Dario, que fez a letra especialmente para a ocasião.  Com direito a mais efeitos especiais, os estudantes se abraçaram no centro da quadra e levantaram, com calorosas palmas e muitas lágrimas, uma faixa onde se lia “Thaís”. Para encerrar com chave de ouro, os pais foram convidados a abraçar seus filhos numa grande confraternização de amor!

Aluna surpreende professora com trabalho criativo

Professora há 33 anos no Colégio Santa Catarina (MG), Sandra Oliveira ainda se surpreende com as possibilidades apresentadas por alguns alunos. Foi assim com Isadora Luiza Lima de Sousa, de 10 anos, aluna do 5º ano, que chamou a atenção ao produzir um trabalho muito criativo sobre a dengue. “Dentro da disciplina de Ciências, em que eles estudam os sistemas do corpo humano, pedimos que fosse feita uma pesquisa sobre a dengue, aproveitando o gancho do avanço da doença. E a Isadora fez isso de forma simples, porém diferente, em quadrinhos”, ressalva Sandra. A professora conta que o trabalho da menina chamou atenção pela simplicidade da linguagem, acessível a todos, e pelo capricho. “Ela fez os desenhos, houve um cuidado especial. A Isadora é uma boa aluna, caprichosa, estudiosa, a mãe está sempre presente, a gente percebe que é uma família que acompanha, que dá respaldo, e isso faz diferença”.

Isadora, que estuda no CSC há sete anos, explica que decidiu fazer o trabalho em forma de quadrinhos porque gosta de desenhar e para facilitar o entendimento da mensagem pelas outras crianças. “Acho que assim todo mundo teria mais interesse e entenderia o recado, porque muita gente acha que a dengue é uma doença simples, mas ela é muito perigosa e pode levar até a morte, se não forem tomados os devidos cuidados”, alerta a estudante.

Colônia de férias na Creche Madre Regina

Em julho, a Creche Madre Regina (CE) promoveu uma colônia de férias para cerca de 90 crianças com o apoio de dezesseis colaboradores do setor pedagógico.  A programação de férias é voltada para crianças de 1 a 3 anos e organizada pela equipe de professoras que busca incentivar a livre iniciativa de brincadeiras lúdicas e prazerosas. Dentre as atividades oferecidas estão música e interpretação, cinema, oficinas de desenho, teatro de fantoches, entre outras.

Semana da Família no CSC-GO

O Colégio Santa Catarina de Petrolina de Goiás (GO) realizou em agosto a Semana da Família com o objetivo de promover atividades didático-pedagógicas de integração entre família e escola.

A abertura do projeto aconteceu no dia 24 de agosto com a benção do pároco da cidade no ginásio da escola. Dentre as atividades desenvolvidas, destaque para a 1ª Mostra Pedagógica Interdisciplinar, no qual professores e alunos apresentaram as atividades pedagógicas de maior destaque realizadas no primeiro semestre por meio de exposições e dramatizações. Houve também uma palestra para os pais com o tema “A importância do acompanhamento da família na vida escolar”, além de oficinas variadas para pais, alunos, colaboradores da escola e membros da comunidade.

CCVM cria horta suspensa

Com o objetivo de ensinar as crianças sobre a importância da alimentação saudável, a Casa da Criança de Vila Mariana (SP) criou uma horta suspensa construída com garrafas Pets e terra adubada retirada do Minhocário. Os alunos plantaram hortaliças, como agrião, alface, couve, salsa e cebolinha, e o cuidado da horta é diário, com os próprios alunos regando e acompanhando o crescimento. Os alimentos produzidos na horta poderão ser degustados pelos alunos em breve.

Professora cria personagem lúdico para potencializar aprendizado de Geografia

A palavra ‘lúdico’ vem do latim e significa brincar. Logo, podemos concluir que a função educativa de uma ferramenta lúdica é proporcionar à criança o contato com o saber de forma prazerosa e, ao mesmo tempo, necessária para a sua formação intelectual. Dessa forma, por meio das brincadeiras e outros divertimentos, a criança pode aprender e apreender elementos essenciais para sua compreensão e conhecimento sobre o mundo. Foi pensando nisso que a professora Michele Cardoso, que integra o corpo docente do Ensino Fundamental I do Colégio Santa Catarina (MG), resolveu criar um personagem a fim de tornar o aprendizado de Geografia e História mais atraente e eficaz.

E a ideia deu muito certo. Tudo começou este ano, quando Michele, que era professora do 2oa ano, foi trabalhar com os alunos do 4º ano. Quando assumiu o desafio de lecionar para crianças mais velhas, de cara ficou responsável por fazer o planejamento das disciplinas de Geografia e História. “As outras professoras falavam que era muito difícil trabalhar essas duas matérias porque o conteúdo é denso, e na hora de cobrar é difícil. Então, eu pensei em fazer algo diferente, para dar uma sacudida. Como eu gosto muito de história e literatura, propus criarmos um personagem para introduzir os conteúdos”. Ela reformou um boneco de marionete que tinha em casa e o batizou de ‘Marianinho’, em homenagem ao engenheiro Mariano Procópio.

A primeira aula para apresentar Marianinho reuniu as cinco turmas de 4º ano. “A professora Alexandra, que é bem animada, interpretou o Marianinho. Ele chegou, apresentou-se como uma criança que gosta muito de viajar pelo tempo e disse que tem uma bicicleta especial, que lhe oferece a oportunidade de fazer viagens mágicas no tempo. As turmas ficaram apaixonadas com essa situação”, conta Michele, explicando que em vários momentos o trabalho foi interdisciplinar. “Juntamos com o Português, pois, na época, estávamos trabalhando um poema sobre bicicleta e isso só acrescentou. Os alunos amaram e as professoras ficaram empolgadíssimas. Foi uma coisa nova com um efeito super legal”.

A partir dessa primeira aula, as professoras começaram a inserir os conteúdos. Em História e Geografia, elas trabalham o conceito – zona rural e zona urbana, por exemplo – e trazem isso para a nossa realidade. Vários conteúdos foram introduzidos aproveitando o aspecto lúdico do Marianinho, como se ele estivesse narrando suas histórias de viagem ao passado. Desta forma, as professoras trabalharam também a questão da água, fazendo associação com o Rio Paraibuna – como ele era no passado, o que é hoje e perspectivas de futuro – e puxando o gancho para falar de meio ambiente, usando a interdisciplinaridade mais uma vez, com matéria de Ciências.

“Houve uma identificação muito forte com o personagem que é criança, que gosta de História e Geografia. Isso deu um pontapé para a proposta, que foi muito bem recebida por todos. Eles ficaram interessados e com muita vontade de aprender”, destaca Michele.

As outras professoras do 4º ano que contribuem de forma tão significativa nesta proposta são: Alessandra Eiterer, Alexandra Bonaldi, Aline Loures e Rita Martins. A supervisora delas é Rosângela Teixeira.

HNSC: Paciente canta e toca violão durante cirurgia no cérebro

A equipe do neurocirurgião Dr. Marcos Ghizoni realizou mais uma cirurgia para extração de tumor cerebral em que o paciente é mantido acordado, no Hospital Nossa Senhora da Conceição (SC). Desta vez, os testes realizados durante o procedimento foram além da interação por meio de gestos e fala entre paciente e equipe cirúrgica. Anthony Kulkamp Dias, de 33 anos de idade, cantou e tocou violão enquanto os médicos realizavam a cirurgia. A situação inusitada ganhou notoriedade e a cirurgia foi destaque nos principais veículos de comunicação do Brasil.

A monitorização cerebral – importante para evitar que ocorram lesões nas áreas sensoriais, motora e da fala – ocorreu durante todo o procedimento. A cirurgia, disponibilizada apenas em hospitais de referência, representa um grande avanço na medicina, pois é possível fazer, de forma segura, um verdadeiro mapeamento do cérebro, evitando-se lesões que podem comprometer áreas importantes e refletir na qualidade de vida do paciente.

O anestesiologista e diretor clínico do HNSC, Dr. Jean Abreu Machado, também participou da cirurgia, mantendo o jovem orientado e cooperativo com a equipe. Segundo ele, normalmente as neurocirurgias são realizadas com o paciente sob anestesia geral, ou seja, com inconsciência (dormindo) e ausência de dor, porém, quando o tumor está próximo a áreas com funções especiais do cérebro, como é o caso da fala, movimentação e sensibilidade, há o risco que estas funções especiais sejam perdidas, caso sejam lesadas durante o procedimento. “Mantendo o paciente acordado durante a cirurgia, estas áreas podem ser monitoradas em tempo real. É feito uma espécie de mapeamento das áreas importantes, a corticografia. Sendo assim, são menores as chances de lesão e é possível uma otimização do tratamento”, completou.

O anestesiologista explicou, ainda, que o tecido cerebral não possui sensores para dor, mas pele e outras estruturas, cujo acesso é necessário para um campo operatório adequado, possuem tais sensores. “Neste momento, inicia o desafio do anestesiologista: manter o paciente acordado e sem dor”, frisou ele. Dr. Jean destacou que outro fato muito importante é um bom relacionamento médico-paciente, iniciado na consulta pré-anestésica, quando não apenas o anestesiologista conhece melhor o paciente, seus problemas de saúde, alergias, medicações de costume, mas quando o paciente aproveita a oportunidade para esclarecer todas as dúvidas e diminuir as inseguranças e medos.

Projeto ‘Por uma vida melhor’ estimula a prática de boas ações entre alunos do Ensino Fundamental

Alunos do 1º ao 5º ano do Ensino Fundamental do Colégio Santa Catarina (MG) aderiram ao projeto “Por uma vida melhor”, cujo objetivo é despertar nas crianças a prática dos bons costumes, como o respeito ao próximo e o cuidado com o meio ambiente. A iniciativa faz parte de um projeto maior, de sustentabilidade, que a escola implantou este ano envolvendo colaboradores e alunos em diversas ações. O nome “Por uma vida melhor” foi adotado de forma a simplificar o entendimento para as crianças. “O termo ‘sustentabilidade’ é difícil de ser assimilado. Por isso buscamos algo mais fácil, mas nossas ações estão todas voltadas para a sustentabilidade”, explica Sandra Mautoni, uma das supervisoras do Ensino Fundamental I.

Durante o lançamento do projeto, os alunos assistiram a um vídeo sobre a importância da água para a vida em nosso planeta e, em seguida, participaram de uma contação de história sobre um passarinho que, durante um incêndio na floresta, resolve encher seu biquinho de água no riacho e fazer a sua parte, ainda que pequena, para tentar salvar seu habitat natural. O momento ficou ainda mais lúdico e marcante com a presença da professora de Literatura Infantil, Marcela Surerus, que entrou de surpresa no salão caracterizada de passarinho, o protagonista da historinha.

Aproveitando a mensagem da contação de história, a supervisora Rosângela Teixeira explicou um pouco mais sobre o projeto aos estudantes. “Quem aderir ao projeto ‘Por uma vida melhor’ tem que respeitar o coleguinha, não pode ver um lixo no chão e, só porque não foi você que jogou, passar direto e deixar pra lá. Eu não posso fazer minha adesão ao projeto e não me comprometer a fazer a minha parte para melhorar o mundo em que vivo, ainda que a minha parte seja uma pequena gota no oceano. Mas imagina se cada um contribuísse com uma gotinha? O mundo estaria bem melhor, com menos poluição, menos lixo nas ruas, menos violência. Quem entrar nessa com a gente tem que ter atitudes coerentes com o projeto”, destacou.

Câmara Mirim 2015 do CSC (MG) toma posse no Legislativo

Os representantes do Colégio Santa Catarina (MG) na edição 2015 da Câmara Mirim tomaram posse no dia 11 de junho, em cerimônia realizada no plenário do Legislativo. Cerca de 150 alunos dos 8º e 9º anos do Ensino Fundamental de dez escolas de Juiz de Fora participaram da sessão, em que o presidente da casa, vereador Rodrigo Mattos, fez a abertura oficial dos trabalhos.

Durante a cerimônia, os estudantes assistiram a um vídeo com informações sobre edições anteriores da Câmara Mirim e seus objetivos. O coordenador do projeto, Sérgio Dutra, agradeceu a direção das escolas envolvidas, cuja contribuição é imprescindível para a realização dos trabalhos. “A Câmara Mirim é uma iniciativa criada e desenvolvida por esta casa legislativa desde 2009. Tem como objetivo promover educação para a cidadania dos estudantes de Ensino Fundamental, criando-lhes oportunidades para compreenderem como funcionam nossas instituições políticas e as funções dos poderes constituídos”.

Sérgio ainda destacou uma novidade introduzida na edição deste ano: a escolha do tema a ser debatido será feita pelos próprios adolescentes. São dois os assuntos sugeridos para discussão. O primeiro é ‘Educação de Qualidade e Ação Cidadã’, com dois subtemas: para uma cultura de paz; para uma participação política dos estudantes. O outro é ‘Qualidade de Vida e Meio Ambiente’, com os subtemas: recursos hídricos e responsabilidade social; e consumo consciente.

No dia 20 de junho, cerca de cem estudantes de dez escolas de Juiz de Fora estiveram reunidos no Colégio Santa Catarina para definição do tema a ser discutido na edição 2015 da Câmara Mirim. Após assistirem à explanação dos professores sobre a importância de cada assunto proposto, os estudantes participaram de uma dinâmica de integração. Em seguida, foram divididos em grupos para debater separadamente cada uma das ideias. Quando todos se encontraram novamente no Salão de Esportes, os adolescentes elegeram, por 95 votos a 9, o tema ‘Educação de Qualidade e Ação Cidadã’ para ser o centro dos trabalhos dos vereadores mirins.

Colégio Santa Catarina (GO) e NESC (SP) organizam “arraiá”

O tema do “arraiá” do Colégio Santa Catarina de Petrolina de Goiás (GO) deste ano foi Sustentabilidade, tendo como foco a reutilização de materiais recicláveis. A festa teve como proposta destacar as tradições do folclore goiano, promover a participação dos pais e da comunidade local na escola, além de angariar recursos para a festa das crianças e dos colaboradores.

A decoração, feita com materiais recicláveis, foi preparada com muito carinho para que o público pudesse ser envolvido pela alegria dos colaboradores e alunos. As quadrilhas foram dançadas com grande animação, sendo a do Ensino Médio a mais esperada, com a representação do casamento caipira feita pelos alunos do 3º ano.

Já no Núcleo Educacional Santa Catarina (SP), a festança aconteceu no dia 13 de junho, com o tema Cultura Popular Brasileira, com representações da diversidade do País. As atrações foram: Dança do Coco, Baião, Cavalo Marinho, Catira, cantigas de roda e danças circulares. A festa foi muito animada, com a presença de antigos colaboradores, famílias e da comunidade que prestigiou o evento e participou das brincadeiras, como pescaria, galinha na panela, estoura bexiga, tira o chapéu, além do sorteio de brindes.

Maio amarelo na Creche São José do Itamarati

No final de maio, a Creche São José do Itamarati (RJ) realizou a Campanha Maio Amarelo – Atenção pela Vida, com o objetivo de chamar a atenção para a segurança no trânsito.

A Campanha conscientizou os colaboradores e as crianças em favor da vida, abordando a importância de atravessar na faixa de pedestres e olhar dos dois lados, descer do carro pelo lado da calçada, usar o cinto de segurança, entre outras recomendações.

O movimento é nacional e foi criado para estimular a interação entre o poder público e a sociedade civil, de modo que os acidentes de trânsito sejam tratados como uma epidemia  e as pessoas adotem um comportamento mais seguro e responsável, preservando a própria vida e a dos demais cidadãos. A cor amarela, escolhida para a causa, representa o sinal de atenção dos semáforos.

Hora cívica no CSC/MG

O hábito de se executar o hino nacional nas escolas foi criado em 1936, no governo de Getúlio Vargas, com o objetivo de fazer com que os estudantes aprendessem a cantar o hino, além de servir como demonstração de amor à Pátria. Porém, com o passar dos anos, esse costume foi deixado de lado. No fim do ano passado, durante uma conversa informal com a Equipe Pedagógica, a diretora geral do Colégio Santa Catarina de Juiz de Fora (MG), Irmã Ernestina Lemos, demonstrou o interesse de resgatar a prática e, desde fevereiro de 2015, todos os 775 alunos do 1º ao 5º anos do Ensino Fundamental I têm, toda última sexta-feira do mês, um momento cívico, onde são reunidos no ginásio do colégio, diante da bandeira nacional, para cantar o hino brasileiro

“Todo mundo participa. É tão bonito, porque as crianças do 1º ano aprendem a cantar o hino nacional para a festinha de encerramento do 2º período. Aí, eles querem mostrar, no meio dos maiores, que eles sabem cantar e cantam alto. É até emocionante de ver”, afirma Sandra Mautoni, umas das supervisoras do Ensino Fundamental I. “Nosso objetivo é resgatar o patriotismo, despertar nos estudantes, desde pequenos, o amor e o respeito à Pátria. É preciso valorizar o Brasil”, complementa.

Ao contrário do que se constata nos Estados Unidos, por exemplo, muitos brasileiros só exibem bandeiras do Brasil em época de Copa do Mundo. Mas o patriotismo deve ser perene, não sazonal. E o civismo vai mundo além de vestir verde e amarelo ou exibir no carro a bandeira nacional. Civismo também diz respeito aos valores e às práticas políticas de um país, que devem ser cultivados desde cedo. A hora cívica, portanto, possibilita ao educando uma formação integral, resgatando valores como o respeito e a tolerância, encaminhando-o para a construção de um mundo melhor e mais justo, pois a aprendizagem só acontece quando há mudança de atitude.

CSC presenteia Juiz de Fora com Painel Cultural Interativo

Em homenagem ao aniversário de Juiz de Fora, que completou 165 anos em 31 de maio, o Colégio Santa Catarina (MG) lançou mais um módulo do Painel Cultural Interativo, desta vez, tendo como foco de pesquisa a cidade, considerada a Manchester Mineira. O evento marcou, também, a abertura do projeto ao público externo, sendo o presente do colégio para a cidade, como mais uma alternativa de fonte de cultura para os juizforanos. A solenidade, realizada no Salão Nobre do colégio, contou com a presença do prefeito Bruno Siqueira, do presidente da Câmara Municipal, Rodrigo Mattos, e do reitor da Universidade Federal de Juiz de Fora, Júlio Chebli, entre outras autoridades.

O diretor executivo do colégio, Artur Giovannini, fez uma contextualização sobre a Escola de Música do CSC e de como surgiu a proposta do Painel Cultural, iniciada em 2012: “Nosso objetivo com esse projeto é ampliar a visão de nossos alunos com a arte em geral, não somente na prática de um instrumento musical. O porquê da música? Qual sua contribuição no contexto histórico? Sua relação com a arte? A ideia é ter aqui um ambiente de interação para que todos os visitantes possam mergulhar na cultura, na arte, interagir com cada momento da história, por meio de um conteúdo riquíssimo desenvolvido por nossos professores”, ressaltou. Além disso, o espaço serve como um novo ambiente para se ministrar aulas e realizar pesquisas sobre cultura da arte em geral.

O prefeito Bruno Siqueira parabenizou o Colégio pela iniciativa e enalteceu o trabalho  realizado “O Colégio Santa Catarina é de extrema importância para Juiz de Fora não só pela rica arquitetura ou por ser um dos melhores colégios da cidade, mas também pelo trabalho social que presta à nossa sociedade com a Creche Monteiro Lobato e a Obra Social Santa Catarina. E agora nos presenteia com este painel que, sem dúvida, irá contribuir muito para a nossa cultura”, afirmou.