Aniversários ACSC

O mês de março é marcado pela comemoração de aniversário de algumas Casas da Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC). Em 12 de março o Hospital Santa Teresa, localizado em Petrópolis (RJ), celebra 138 anos. Já em 19 de março duas Casas comemoram aniversário, a Casa de Saúde São José, situada no Rio de Janeiro, completa 91 anos e o Hospital e Maternidade Madre Regina Protmann, que fica em Santa Teresa (ES), comemora 13 anos de existência.

A ACSC agradece a todos os colaboradores que atuam nestas Casas, por sua dedicação, carinho e por fazerem parte dessa história, que perpetua o legado de nossa fundadora Madre Regina Protmann.

Psicóloga do Lar Madre Regina é eleita no Conselho do Idoso

O Conselho Municipal dos Direitos da Pessoa Idosa, da Secretaria de Desenvolvimento e Assistência Social, realizou a cerimônia de posse dos conselheiros eleitos para o biênio 2014-2016 no dia 11 de março , às 9 horas, no Paço Municipal de Guarulhos.

Criado pela Lei Municipal n° 5922, de 29 de julho de 2003, o Conselho é um órgão autônomo, permanente, de caráter normativo e deliberativo e tem por objetivo propor, deliberar, encaminhar e fiscalizar a implantação de políticas e programas ao idoso, garantindo o pleno exercício de sua cidadania. O Conselho também tem a missão de estabelecer normas e fiscalizar o funcionamento de casas de repouso, asilos e afins, que prestam serviço à população idosa.

Entre os conselheiros eleitos, em Instituição de Atendimento, está a psicóloga Silvana Aparecida Cava Lacerenza, da Associação Congregação de Santa Catarina – Lar Madre Regina,  eleita em 2º lugar. A disputa era de 03 vagas para 07 candidatos.

Encontro de Prestação de Contas

Entre os dias 12 e 14 de março, aconteceu na Administração Corporativa, em São Paulo, o Encontro de Prestação de Contas de 2013. Com o objetivo de rever os resultados obtidos pelas nossas Casas ao longo do ano anterior e alinhar as estratégias para 2014, o evento contou com a participação das Irmãs e membros do Conselho, Líderes de Casas, dos Diretores Corporativos, da Superintendência, dos Gerentes e da equipe de Gestão de Pessoas Corporativa e outros colaboradores da ACSC.

 

 

 

 

Durante os três dias foram tratados assuntos relacionados à gestão de pessoas, aspectos jurídicos, administrativos, financeiros, planos e metas para 2014. O evento proporcionou momentos de integração entre os diretores e ainda permitiu aos participantes conhecer melhor cada uma das Casas da ACSC.

Novidades no Hospital Estadual Central (HEC)

Redução da conta de água em 31%

Há seis meses o Hospital Estadual Central (HEC) – vinculado à Secretaria de Estado da Saúde (Sesa) e administrado pela Associação Congregação de Santa Catarina (ACSC) – começou a substituir as torneiras manuais dos banheiros e das pias exclusivas para lavagem de mãos por torneiras com fechamento automático.  Após esse período, o consumo de água caiu de 2.506 metros cúbicos (m3) para 1.620 m3, reduzindo a conta de água em 31%.

O gerente de infraestrutura do HEC, Leonardo Silva,  explica que as novas torneiras controlam a quantidade e o tempo de saída da água, evitando o desperdício involuntário. Mas ele ressalta que a consciência continua sendo fator primordial para a economia. “É claro que se toda vez que formos escovar os dentes, por exemplo, abrirmos a torneira várias vezes, todo o esforço para redução de consumo vai por água abaixo”, alerta.

Novo tipo de cirurgia

O HEC começou a realizar um novo tipo de cirurgia, trata-se de um procedimento chamado artroscopia e pode ser realizado em três partes do corpo: quadril, ombro ou joelho. A cirurgia é feita para tratar doenças nas articulações do corpo, como artrite e artrose. Segundo a diretora técnica do hospital, Andrea Stefano Saliba de Almeida, a cirurgia começou a ser realizada no início do mês de março.

 

Poesias até sobre patologias

Professora e Doutora, a coordenadora do departamento de Hematologia do Hospital Santa Catarina (HSC), Karin Schmidt Rodrigues Massaro também é uma poetisa.  Casada e mãe de dois filhos, Karin escreve poesias desde os sete anos de idade e se tornou a primeira mulher presidente da Sociedade Brasileira de Médicos Escritores (SOBRAMES).

Formada há quase 25 anos, com mestrado e doutorado pela Universidade de São Paulo (USP), iniciou sua carreira médica com apenas 22 anos de idade. No HSC ela atua na Hematologia do pronto-atendimento, faz consultório na clínica médica e também realiza avaliações dos pacientes internados, juntamente com o resto da equipe do hospital.

Desde cedo Karin possuía grande motivação para escrever, ganhava muitos concursos de redação e aos quinze anos publicou seu primeiro livro, “Plano e Convexo”. Em 2007, publicou a obra “Amor e Hepatite Viral”, com a renda revertida às obras da ACSC. Já o livro “Sangue quente”, com prefácio do ator e diretor Paulo Betti, teve a renda revertida aos pacientes portadores de anemia falciforme. Sua obra mais recente, “As árvores de São Paulo”, foi publicado em 2014.

Para publicar seus livros precisou dispor de seus próprios recursos. De acordo com a médica, não há muito incentivo para poesia e são poucas editoras que se interessam em publicar pequenas tiragens. Apesar disso, ela não parou de escrever e relata que tudo lhe serve de inspiração, até mesmo o patológico.

Hoje, Karin possui 4 livros publicados, participou de várias antologias e coletâneas, possui diversos artigos publicados e é premiada e catalogada na Câmara Brasileira de Novos Talentos. É possível conhecer mais sobre seu trabalho e até mesmo adquirir seus livros, acessando o site http://www.karinpoeta.com.br/.

Comemoração do Dia Internacional da Mulher no Colégio Santa Catarina em Petrolina de Goiás.

No dia 08 de março as mulheres comemoram as conquistas de espaço e respeito na sociedade. São guerreiras que passam por desafios diariamente e conseguem vencer, com esforços e determinação, e que começam desde criança a descobrir os dilemas que virão no futuro. Assim  todas as mulheres são prestigiadas, sem distinção de faixa etária.

Para comemorar o Dia Internacional da Mulher, no Colégio Santa Catarina de Goiás, todos os colaboradores foram convidados para tomar café da manhã. Como forma de homenagem, os homens colocaram nas colaboradoras e alunas laços na cor rosa simbolizando que, mesmo diante das batalhas enfrentadas, as mulheres não perderam a feminilidade.

Como é campanha em todo o país, as alunas foram vacinadas contra o HPV nesse dia, reforçando a coragem feminina.

O Colégio Santa Catarina de Goiás reconhece que a presença feminina nesta Congregação fez e faz sua existência e agradece a todas as mulheres que colaboram para o crescimento da Associação Congregação de Santa Catarina.

Quaresma – É tempo de reconciliação

Vivemos, desde a última quarta-feira de Cinzas, um período litúrgico de grande importância para todos nós que professamos a fé católica: a QUARESMA. Durante nossa preparação para a Páscoa do Senhor, somos convidados a intensificar a vida de oração, penitência e caridade. É tempo de reflexão e de reconciliação. E o primeiro passo para o encontro profundo consigo mesmo e com Deus é o reconhecimento de nossas misérias e fraquezas. Afinal, “o pecado é o maior obstáculo para o amor”. Que nesta Quaresma tenhamos a coragem de fazer uma passagem profunda de purificação do pecado para a graça!

De acordo com o padre José Leles da Silva, que integra o corpo docente do CSC, a Quaresma são os quarenta dias entre a quarta-feira de cinzas e a quinta-feira santa de manhã, sem contar os domingos. “A Quaresma faz referência aos quarenta anos que o povo de Israel levou para atravessar o deserto, entre a saída do Egito e a entrada na terra da promessa. Também nos remete aos quarenta dias que Jesus passou no deserto, entre o seu batismo e o início da vida pública”, explica o sacerdote, lembrando a passagem do Evangelho segundo São Mateus, capítulo quarto, versículos de um a onze.

Fazendo uma comparação com a nossa realidade atual, padre Leles ressalta que “deserto” não é, necessariamente, um espaço geográfico, mas sim um espaço vital espiritual onde valendo-nos da liberdade, fazemos as nossas opções. “No deserto se encontram Deus, o diabo (aquele que divide) e eu. Portanto, é o tempo de de-cisão”, destaca. “Fazer cisão, romper com o maligno e voltar-se inteiramente para o Deus de Jesus”.

Durante a Quaresma, os cristãos são convidados a intensificar o jejum, uma prática que remonta à experiência bíblica. Padre Leles explica que “o jejum livremente assumido nos ajuda a administrar os nossos desejos. Não somos irracionais que agem por instinto. Jejuar me ensina a administrar as minhas vontades e a ser senhor e não escravo das coisas, inclusive do alimento. Alguém disse que nós somos aquilo que comemos. O tempo da Quaresma e a observância do jejum é uma ótima oportunidade para selecionarmos aquilo que ingerimos, em vista de uma vida plena”.

Ao longo do período quaresmal, o roxo é a cor litúrgica usada no altar e também nas vestimentas dos sacerdotes. E tudo tem um significado. “A cor roxa nos recorda o tempo de penitência. Penitência são gestos e atitudes que mostram que estou dando passos no caminho novo. A quaresma nos convida à conversão, isto é, à mudança de caminho. Deixar os atalhos que conduzem a lugar nenhum e às vezes à morte, para tomar o caminho proposto por Jesus que nos leva ao encontro com o outro e com Deus”, avalia padre Leles.

A Igreja Católica prega que os cristãos se confessem pelo menos uma vez no ano, preferencialmente, na preparação para a Páscoa do senhor. Mas padre Leles adverte que é preciso mais que isso. “Mais que confessar, eu diria que os fiéis precisam de celebrar uma verdadeira reconciliação com as pessoas e com Deus Pai. Não basta confessar o pecado. É preciso extirpá-lo da nossa vida. Pecado é ruptura, é coisa daquele que divide, o diabo. Já o Amor, isto é, o Espírito Santo de Deus, une, integra. Por isso, o conselho que sempre dou é o mesmo de Jesus: ‘Orai e vigiai’”, ressalta.

CSC- JF celebra sete anos de Voluntariado Jovem

Ser voluntário é empenhar-se em causas de interesse social e comunitário e, assim, melhorar seu empenho pessoal e a qualidade de vida da sociedade.

“O Voluntariado nasce, inicialmente, a partir de um desejo da irmã Ernestina de que nossos alunos tivessem, além da qualidade acadêmica, a oportunidade de uma qualidade no fazer humano, no conviver com outras realidades”, explica o professor Juceme Rodrigues, que coordena o grupo de voluntários.

O sucesso do Voluntariado Jovem já rendeu ao CSC – JF o Selo Escola Solidária por cinco vezes. A certificação é uma realização do Instituto Faça Parte, Ministério da Educação, Consed, Undime, Unesco, OEI e Unicef, que acontece a cada dois anos. O selo é concedido a instituições de ensino que proporcionam situações de aprendizagem com envolvimento voluntário dos jovens, com o objetivo de melhorar a qualidade de vida da comunidade. Fortalecer os laços de solidariedade e educar para a superação do individualismo que seduz as novas gerações é uma tarefa permanente do CSC – JF.

“Vivemos num contexto de desconfiança e descrença quanto às instituições político-governamentais, com o crescimento da violência e da exclusão social em suas mais variadas formas de expressão. Neste sentido é que acreditamos no valor da pedagogia de Jesus que supera as barreiras do tempo e do espaço, convidando-nos a atualizar a ‘parábola do Bom Samaritano’ que percebe o semelhante deixado à beira da estrada, suas necessidades não satisfeitas e seus direitos não garantidos”, salienta Juceme.

Todos os alunos do Colégio, a partir da 7ª série, podem participar. São duas atividades semanais: às quartas é feito um trabalho com idosos, e às quinta com crianças. “A escolha de trabalhar com crianças e idosos segue a linha de trabalho de Madre Regina, que buscava ajudar as crianças na instrução, e os idosos, principalmente aqueles mais desfavorecidos e abandonados pela família”, conta Juceme. Em cada visita, são envolvidos cerca de dez jovens, que se revezam a cada atividade, de modo que, anualmente, cerca de 260 alunos vestem a camisa do projeto. “É claro que tem aqueles alunos que se dedicam mais e acabam participando o máximo que podem. O nosso compromisso é abrir oportunidades para que todo aluno que se interesse faça essa experiência solidária”.

O primeiro ano de trabalho do Voluntariado Jovem do CSC – JF, em 2007, foi realizado junto ao Hospital Ascomcer, e era voltado apenas para os alunos do 3º ano do Ensino Médio. Aos poucos, o trabalho foi ganhando força e, a partir daí, o Colégio firmou parceria com outras instituições. Atualmente, o Voluntariado Jovem atua junto nos projetos:

– Projeto Conviver – parceria com o CRAS/Leste (Prefeitura de Juiz de Fora)
– Projeto Aniversariantes do Mês, no Abrigo Santa Helena
– Projeto Sementes de Girassol, no Ceprom (Centro de Promoção do Menor)
– Projeto Tardes Culturais, na Creche Monteiro Lobato

No Ceprom, localizado na Vila Ideal, a cada semana os voluntários procuram desenvolver um tipo de atividade com as crianças, como contação de histórias, trabalho com música, teatro e pintura. A unidade atende 160 crianças carentes, não só na questão financeira, mas, principalmente, carentes de afetividade. “Por isso, esse trabalho que o Santa Catarina desenvolve aqui é muito importante. As crianças têm uma identificação muito grande com o grupo do Voluntariado e vice-versa. A gente nota a expectativa que as crianças ficam durante a semana para chegar a quinta-feira, que é para elas o dia do Santa Catarina”, conta Pablo Santos Martins Dias, pedagogo do Ceprom.

Mas não é só na vida de quem recebe carinho e atenção que o Voluntariado Jovem faz diferença. Para Maria Paula Novaes, aluna do 2º ano do Ensino Médio, a experiência foi determinante para despertar um sonho profissional. “Quero fazer Medicina ou Odonto. E sempre que vou ao Ceprom e vejo aquelas crianças com tantos problemas nos dentes, saio de lá mais incentivada a trabalhar na área de saúde para oferecer assistência a públicos como esse”, conta a estudante, que está no Voluntariado há quatro anos. Convidada a dar um recado aos colegas que ainda não experimentaram do Voluntariado, Maria Paula vai fundo: “Todo mundo deveria participar pelo menos uma vez. É muito bom e faz bem, para o outro e principalmente para você mesmo, porque você percebe que com um simples abraço ou uma única palavra, é possível fazer a diferença na vida do outro. E isso vale muito a pena. Eu sempre volto pra casa me sentindo bem melhor”, garante.

Os sete anos do Voluntariado Jovem serão celebrados com missa, no próximo domingo (09/03), às 9h, na Capela do CSC.

Vale a pena assistir: vídeos sobre a importância do trabalho voluntário juvenil

Jovens e o trabalho voluntário no Brasil

ONU estabelece fundo para apoiar o Voluntariado Jovem

CSC – JF colabora com campanha de vacinação contra o HPV

O Colégio Santa Catarina (CSC), em parceria com Ministério da Saúde, realizou campanha de vacinação contra o HPV (papilomavírus humano). Assim, alunas  na faixa etária de abrangência da campanha, puderam optar por receber a primeira dose da vacina no colégio, nos dias 17, 18 e 19 de março. Uma carta explicativa será enviada aos pais e responsáveis, que devem assinar autorizando ou não a vacinação da filha no colégio.

A iniciativa é do Ministério da Saúde que, por meio do Programa Nacional de Imunização, está ampliando o Calendário Nacional de Vacinação com a introdução da vacina quadrivalente Papilomavírus humano (HPV) no Sistema Único de Saúde (SUS), para prevenção do câncer do colo do útero, uma doença grave que põe em risco a vida de milhares de mulheres em todo o mundo. No Brasil, é a segunda principal causa de morte por câncer entre mulheres.

A campanha de vacinação contra o HPV foi lançada em 10 de março, e tem como público-alvo adolescentes de 11 a 13 anos (13 anos 11 meses e 29 dias completados a partir de 10 de março). Numa parceria com as Secretarias Municipais de Saúde e Educação, esta primeira etapa da campanha foi realizada nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) e em escolas públicas e privadas. Para que as meninas estejam devidamente protegidas contra o câncer do colo do útero, devem ser administradas três doses da vacina, no esquema recomendado abaixo:

• 1ª dose: será ofertada em UBS e escolas – a partir do mês de março;
• 2ª dose: administrada seis meses após a 1ª dose – apenas em UBS;
• 3ª dose: administrada cinco anos após a 1ª dose – apenas em UBS.

A vacina contra o HPV é gratuita e estará disponível nas Unidades de Saúde durante todo o ano. Para a vacinação no Colégio Santa Catarina, é necessário que a aluna venha acompanhada de um responsável e traga um documento de identificação, além da carteira de vacinação (se tiver).

 

Escola de Música do CSC – JF oferece vagas no curso de Musicalização para bebês

A Escola de Música do Colégio Santa Catarina está com inscrições abertas para o curso de Musicalização para Bebês, destinado a crianças de oito meses a 2 anos. Os pais interessados devem procurar a secretaria da unidade para fazer a matrícula. As vagas são limitadas. Serão duas turmas, definidas de acordo com a idade da criança, às terças e quintas, das 16h às 16h45. Para participar das aulas, os bebês deverão estar acompanhados de um adulto responsável, preferencialmente da mãe ou do pai.

O curso de musicalização para bebês foi criado no ano passado e foi sucesso entre as famílias participantes. Isabel Landi, mãe da pequena Isabela, conta dos benefícios que a musicalização trouxe para a filha: “Ela entrou na musicalização com um ano e três meses e foi muito bom, porque ela interagia com as músicas, o contato com os instrumentos a acalmava e ela voltava outra pra casa. E pedia para ir à aula”. Quem também se divertiu muito com a musicalização foi o Enzo, que entrou no curso, no início do ano passado, aos onze meses de vida. “O curso despertou o Enzo para o gosto musical. Hoje ele vê um instrumento e quer chegar perto, quer tocar, e isso é super gratificante. Além disso, é um momento só meu com ele. Outro dia estive na Escola de Música para fazer a matrícula para este ano e ele já queria subir para a salinha. Isso mostra como ele gosta das musiquinhas e vibra com elas”, afirma a mãe, Simonea Cristina Vicente Ferreira.

De acordo com a coordenadora da Escola de Música, o objetivo é desenvolver a relação afetiva entre pai/mãe e filho, além, é claro, de despertar a parte musical da criança. “Trabalhar com bebê é algo bastante motivador. O diferencial da nossa proposta é trabalhar a afetividade porque acreditamos que a música proporciona esse vínculo. Nós trabalhamos os sentidos através da música, do toque na criança, estimulamos o bebê produzir sons com objetos que também exalam cheiro. E isso vai ficar na memória afetiva da criança para o resto da vida”, conta entusiasmada Patrícia Guimarães.

O curso tem o respaldo da psicóloga do CSC, que aposta muito na iniciativa. “O primeiro contato de amor da criança é a voz, a voz da mãe e a sua própria voz, através do choro. Por isso, a cantoria e o ninar têm tudo a ver para apaziguar o processo de separação que toda criança vive ao nascer. O contato com a mãe, o ninar da mãe, faz o bebê se sentir protegido, seguro e confortável, dando a ele condições para estruturar seu processo de crescimento e descoberta. A musicalização nessa fase da vida ajuda no resgate do afeto entre mãe e filho, do cuidado, do aconchego”, relata Fernanda Pedroso.

O curso tem uma aula semanal com duração de 45 minutos. O período é estipulado baseando-se na capacidade de concentração dos bebês, visto que esse é o período máximo que se consegue manter a atenção deles. As turmas têm, no máximo, oito crianças para garantir um trabalho individualizado. A Escola de Música do CSC conta com uma seleção de instrumentos especiais para o curso. Alguns instrumentos têm formato lúdico, além do kantele, uma harpa de origem celta que tem uma sonoridade de relaxamento, outra coisa muita importante para os bebês. “Eles podem tocar os instrumentos com a ajuda das mamães e isso faz com que eles fiquem mais atentos e concentrados”, afirma Patrícia.

De acordo com a professora, a música melhora as conexões neurais da criança para a cognição dela no futuro, como aprendizagem, linguagem, fala, coordenação motora, além das relações sociais. “Também ajuda na percepção de mundo, pois a criança fica mais sensível para perceber tudo em torno dela. A música faz grande diferença na vida de quem tem esse contato desde cedo. A criança que tem a sensibilidade musical respeita mais o outro. É claro que a gente espera que eles cresçam e também se tornem amantes da música, mas isso seria uma consequência, não nosso objetivo inicial”, defende Patrícia.

Resultados comprovados

A ideia de trabalhar a música na primeira infância (até os três anos de idade) se baseia em estudos desenvolvidos em diversos países sobre o assunto. É um trabalho fundamentado, com resultados extremamente satisfatórios comprovados por pesquisas científicas A musicalização para bebês é um tema antigo nos Estados Unidos e na Europa. No Brasil, foi introduzida há cerca de 35 anos.

Obviamente, a musicalização para bebês não se propõe a ensiná-los tocar algum tipo de instrumento, cuja prática deve ser iniciada a partir dos quatro ou cinco anos. Para quem acredita que os bebês são muito pequenos para serem musicalizados, existem várias pesquisas feitas sobre o assunto que provam o contrário. Uma delas, por exemplo, explica que o primeiro sentido humano a se desenvolver totalmente é a audição, tanto que hoje existem trabalhos com música para as gestantes. Segundo os estudos, até dois anos de idade o cérebro está em formação. Portanto, os estímulos em todas as áreas ajudam a desenvolver mais rápido as conexões nervosas. A musicalização ainda pode ajudar na formação da personalidade da criança, contribuindo com a socialização, o raciocínio e a concentração.
Escola de Música

Criada em 20 de abril de 2005, a Escola de Música do CSC funciona na Casa Madre Regina, prédio anexo ao colégio, na Avenida dos Andradas. O objetivo é desenvolver a musicalidade e uma maior percepção da visão de mundo, uma vez que a música valoriza as relações interpessoais e estimula o desenvolvimento integral da criança.
A Escola de Música tem grupos de coral e oferece aulas de violino, violão, teclado, flauta doce, flauta transversa, musicalização, além das Cameratas, com turmas para a Educação Infantil, Ensino Fundamental e Ensino Médio. A Escola de Música é coordenada pela maestrina Patrícia Guimarães e funciona de segunda a sexta, com aulas nos períodos da manhã, tarde e noite. Atualmente, conta com um corpo docente de seis instrutores e 160 alunos.

 

Colaboradores em formação no CCMR

Nos dias 06 e 07 de março os colaboradores da Creche/Centro de Convivência Madre Regina participaram de um Encontro de Formação Continuada. Na programação constava: Espiritualidade, Oficinas, Palestras, Vivências e Reflexões.

O encontro teve início com um momento de oração,  orientado pela diretora Ir. Leonor. Ela levou os colaboradores a refletirem sobre o tema da Campanha da Fraternidade por meio de gravuras que expressavam o comportamento de pessoas exploradas.

Em seguida receberam o professor Gileno, psicólogo, que desenvolveu um trabalho  para valorizar o poder da mente, abordando as faculdades da alma, focando a mente, os registros e o intelecto. A partir daí iniciou um trabalho sobre as emoções, conscientizando a todos de que a emoção só pode ser trabalhada se tiver nome. Realizou também uma dinâmica envolvendo Cromoterapia, terapia das cores , para ajudar na identificação dos valores internos, polaridade, positivo e negativo. E por fim, encerrou a manhã falando sobre a resiliência, que é a capacidade humana para fazer frente às adversidades da vida, inclusive à situações de grande impacto.

Outro momento do encontro foi a apresentação da “Campanha da Fraternidade de 2014”, que tem como tema: “A Fraternidade e o Tráfico Humano” e como lema: “É para liberdade que Cristo nos libertou”,  realizada por Amélia Albuquerque, representante da Pastoral da Educação e da CNBB em Fortaleza.  Apresentou o objetivo geral dessa campanha, que é identificar as práticas do tráfico humano em suas várias formas e denunciá-lo como violação da dignidade e da liberdade humana, mobilizando cristãos e a sociedade brasileira para erradicar esse mal, com vista ao resgate da vida dos filhos e filhas de Deus. Também apresentou um vídeo e descreveu como ocorre o tráfico humano. Esta Campanha pretende despertar em todos a conscientização sobre este problema e  coragem para denunciá-lo.

Sabendo da importância da música para a criança, a formação foi encerrada com uma oficina “Teoria e Musicalidade” para o setor pedagógico.

O objetivo do objetivo do CCRM é, cada vez mais, enriquecer os conhecimentos e o compromisso de cada um.

CRI Norte sedia o III Encontro de Rede Intersetorial Santana/Tucuruvi

No dia 11 de fevereiro de 2014 o CRI Norte sediou o III Encontro de Rede Intersetorial Santana/Tucuruvi, com o objetivo de apresentar o trabalho desenvolvido no Centro de Referência de Assistência Social – CRAS e Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS, ambos da Zona Norte de São Paulo.

O evento foi organizado pelo Serviço Social do CRI Norte, Ambulatório do Mandaqui e CRAS Santana, com a participação de aproximadamente 60 profissionais representantes dos serviços de diferentes segmentos como saúde, assistência social, justiça, entre outros.

Os encontros acontecem bimestralmente, com objetivo de promover a articulação entre os serviços da região, desenvolver ação interdisciplinar e intersetorial, fortalecer a integralidade no cuidado.

Este evento evidenciou a relevância de ações e encontros que fortaleçam a rede socioassistencial, favorecendo assim uma atuação interdisciplinar em prol de melhores práticas nos serviços.

Comemoração do Dia Internacional da Mulher no AME Itapevi

No dia 10/03,  o AME Itapevi comemorou o Dia Internacional da Mulher em grande estilo, proporcionando para todas as colaboradoras atividades para homenageá-las e prestigiar essa data.

Dentre as atividades realizadas destacam-se a nutrição facial realizada por uma equipe da Hebalife, penteados e manicure realizada por colaboradoras da Instituição (Alice, Camila, Regina e Priscila), palestra de imagem pessoal e dicas de moda realizada pelo consultor de imagem Paulo Paranhos e figurinista da TV brasileira, atividade laboral realizada pela equipe de fisioterapia, dicas de maquiagem realizada por uma equipe da Mary Kay e exposição e vendas de calçados atráves da Coopercredi e produtos da Natura, Avon e Boticário. Todas as colaboradoras foram presenteadas com uma rosa.

Por fim, foi realizado um sorteio entre todas as colaboradoras do AME, onde a colaboradora Bianca Aparecida de Castro (Técnica de SADT) foi premiada com uma limpeza de pele (Peeling de diamante) doada pela Clínica de Estética “Rubi”.

A equipe de eventos do AME Itapevi agradece e parabeniza a participação de todas as colaboradoras nos momentos que lhes foram proporcionados.

A importância do trabalho voluntário em uma Internação

A ideia surgiu de um antigo colaborador do Polo de Atenção Intensiva em Saúde Mental da Zona Norte (PAI-ZN), Henrique Batista, que, apesar de não estar mais trabalhando no hospital, recorda-se com carinho do tempo em que pôde ter contato e aprender com os pacientes. Aprendeu, por exemplo, a importância de se pensar em ações que pudessem contribuir para minimizar os “efeitos colaterais” que uma internação pode causar.

Estar internado significa, na maioria das vezes, estar isolado da família e amigos, significa estar em um ambiente estranho, com regras e uma rotina que, muitas vezes, não são aquelas que se está habituado. Significa estar privado, mesmo que temporariamente e por uma boa causa (o tratamento), de sua liberdade e privacidade, sem tirar, é claro, as dificuldades relacionadas ao próprio adoecimento.

O Grupo de “Cuidados Pessoais”, formado pelos voluntários: Alice, Amanda, Cleide, Gustavo, Rafaele e Kaue, profissionais que atuam no Salão de Beleza Divas Ebenezer, na região norte de São Paulo, resolveu doar parte do seu tempo para tentar minimizar as dificuldades desse momento.  Elas fazem escova, mão, pé, penteados e corte, nos pacientes. A sala do hospital se transforma em um verdadeiro salão de beleza!

Uma das pacientes diz que se sente muito feliz quando pode participar do grupo pois se considera uma pessoa vaidosa e, às vezes, estando no hospital, esquece de se cuidar. Ela completa: “eu me sinto mais bonita e, por isso, fico mais feliz”.

Mas, sem dúvida, não apenas os pacientes saem felizes, pois os próprios voluntários sentem-se recompensadas com o grupo.

Hospital de Clínicas Nossa Senhora da Conceição recebe mais recursos da Câmara

Os vereadores trirrienses aprovaram na noite de 13/03, em votação em caráter de urgência, subvenção no valor mensal de até de R$ 250 mil para o Hospital de Clínicas Nossa Senhora da Conceição (HCNSC), podendo a chegar ao valor de R$ 3 milhões anuais.

A unidade é praticamente a única referência hospitalar em Três Rios e região em procedimentos de média e alta complexidade, ambulatoriais e cirurgias eletivas. Segundo os parlamentares, a Câmara entendeu a importância da aprovação, pois o Hospital de Clínicas Nossa Senhora da Conceição há anos vem atendendo o povo trirriense e até mesmo de outras cidades vizinhas.

“Gostaria de agradecer os meus pares pela rapidez que as comissões se reuniram para aprovarem a matéria do executivo. É necessário garantir a atenção integral aos usuários do SUS e entendemos que o hospital tem atendimentos de média e alta complexidade com altos custos e essa ajuda do governo municipal vem proporcionar tranquilidade e dignidade nos atendimentos à população”, disse o presidente da Câmara, Joacir Barabaglio Pereira (Joa).

 

Hospital Santa Teresa inaugura 2º Hemodinâmica

Já está em funcionamento a 2º Hemodinâmica do Hospital Santa Teresa (HST), que pertencente à Associação Congregação de Santa Cantarina (ACSC), com capacidade para a realização de procedimentos de alta complexidade minimamente invasivos. O novo investimento ampliará os atendimentos à pacientes da Cardiologia, Neurocirurgia e Cirurgia Vascular do Município. Com a nova tecnologia, diminui-se o trauma cirúrgico, evitando as grandes incisões e as cicatrizes. Com isso, reduz-se o tempo cirúrgico e o tempo de internação.

Com a nova Hemodinâmica, o HST se destaca entre os cinco hospitais do Rio de Janeiro que oferecem um equipamento de alta precisão e tecnologia em benefício da saúde.

“Esse equipamento é um dos mais modernos do mercado e é voltado para atender as necessidades das nossas principais especialidades: cardiologia, vascular e neurocirurgia. A qualidade da imagem proporciona a diminuição do uso de contraste e com relação à exposição de radiação, diminui em 30% em comparação com as outras maquinas, o que garante mais segurança e precisão nos procedimentos para médicos, enfermeiros e pacientes.”, explicou Vinícius de Oliveira, Diretor Executivo do Hospital Santa Teresa.

 A avaliação médica: Os benefícios do novo equipamento:

 O setor de Hemodinâmica do HST realizou mais de 9000 procedimentos de alta complexidade só na área de cardiologia e vem se tornando referência também nas neurocirurgias endovasculares. Para o chefe da Neurocirurgia do HST, Orlando Maia, com a 2º Hemodinâmica, é possível potencializar a realização desta técnica que permite o tratamento de doenças arteriais e venosas.

“Durante muitos anos os pacientes portadores de aneurisma cerebral só podiam tratar-se através de cirurgia convencional. Já no final da década de 80 e começo de 90, surge à neurocirurgia endovascular. O procedimento é feito mais comumente pelo cateterismo (punção) dos vasos ou ainda pequenas incisões cirúrgicas, preferencialmente na virilha (acesso femoral) ou no membro superior, sob anestesia local. Com a técnica diminui-se o tempo de internação e proporciona uma recuperação mais rápida.”, explicou.

Nos tratamentos Vasculares, o Angiologista e Cirurgião Vascular, José Eduardo Costa Filho, comentou que a qualidade das imagens produzidas pela nova máquina garante mais precisão nos procedimentos.

“Este novo aparelho é um dos mais modernos existentes no mercado, em que a qualidade de imagem é muito superior, com mais nitidez, através de um detector plano de imagens 100% digitais. Com isso, conseguimos avaliar em detalhes os vasos e suas lesões a serem tratadas. E os softwares modernos, como a angiografia rotacional 3D, permitem a reconstrução de imagens em 3D com maior ganho de detalhes e redução da emissão de radiação e do uso de contrastes.”, avaliou.

 De acordo com o médico cardiologista e hemodinamicista, chefe da Hemodinâmica do Hospital Santa Teresa, Dr. João Alexandre Rezende Assad, com a implantação da 2º Hemodinâmica a população se beneficia ainda, com a diminuição do tempo de espera para a realização dos procedimentos.

“A presença da 2º Hemodinâmica irá aumentar o número de atendimentos como também acelerar o agendamento para exames de Cateterismo cardíaco e Angioplastia. E trará mais segurança aos serviços que não precisarão parar os atendimentos, caso o outro aparelho esteja em manutenção, o que é extremamente importante, principalmente nos casos de urgência.”, finaliza.