Psiquiatra, psicanalista, pai ou músico?

Há quatro anos trabalhando como médico plantonista no PAI-ZN, o psiquiatra e psicanalista, Eduardo Leal, natural de São José dos Campos, SP, consegue conciliar a agenda apertada com a forte ligação que mantém com a música. Paixão que antecede a faculdade, antes de vir para a capital, ele teve várias bandas de rock, se dedicou a aprender a tocar violão e guitarra, mas em um dado momento surgiu a inspiração para compor, o que o levou ao lançamento do seu primeiro CD “Vida Nova”, em 2011, com participações especiais como Leila Pinheiro, Zé Renato e outros.

Apesar da dificuldade de harmonizar a sua rotina, o Dr. Eduardo sempre encontra um tempo para se dedicar a música. “Tenho dois filhos para contribuir ‘só um pouquinho’ com a agenda, mas eles só me inspiram e fortalecem!”, brinca o médico, que já gravou alguns CDs e, agora, possui 10 músicas para um novo, “não mudaria uma vírgula do meu caminho”, emociona-se.

Acesse o canal do Eduardo Leal no Youtube e descubra o seu talento!

Sal e Luz

Este mês a mensagem da coluna de Espiritualidade nos traz uma linda mensagem escrita pela Irmã Lia Gregorine. Confira e aproveite para refletir:

“Vós sois sal da terra e luz do mundo”… Mateus 5:13-16

Com estas palavras Jesus incondicionalmente nos faz sal e nos faz luz. Chama-nos a clarear o mundo e nos chama a dar sabor à vida…

Jesus não coloca condição. Apenas Diz: “Vós sois sal e luz!”.

Diante dessas palavras, surgem em nossas mentes e corações belos, muitas imagens.

Ser Luz, clarear o mundo em que vivemos com pequenos gestos e pequenas chamas. Tochas que clareiam enfeitando a vida com belas flores, lindos hinos, pequenos cuidados…

Olhar nos olhos e dizer: aqui estou para te apoiar, te ouvir, sentir e animar.

Ser sal, dar sabor à vida e reconhecer o que ela tem de melhor. Conservar o alimento, aliviar a dor, dar gosto ao pão… Pão amassado e sovado no labor da missão.

Andando pelo mar morto em Israel, vi que as pessoas que lá entravam não afundavam. O sal pela sua textura não deixa afundar…

Santa Catarina, cuja festa celebramos neste mês, foi sal e foi luz. Dessa luz e desse sal até hoje fazemos memória… E a tomamos como modelo de vida e ação.

De sua vida emana, até os dias de hoje, luz e sal dando-nos condição de juntos construir um pedaço da história da Congregação de Santa Catarina na missão de cuidar da vida.

Santa Catarina, padroeira e mãe, cuida de nós.

Que nosso andar seja corajoso e fiel a Jesus, o Senhor de nossa vida.

Ampara-nos na fraqueza e anima-nos a viver para Ele eternamente.

Amém.

Que tal curtiu a nossa página?

Você já parou para refletir sobre os benefícios do uso das redes sociais? Elas servem para fortalecer nossos relacionamentos, aproximar pessoas, como uma grande ferramenta de informação e engajamento, além de ser uma maneira descontraída de obter entretenimento. Por isso, convidamos vocês para fazer parte da nossa página no Facebook!

Vídeo retrata a história de Santa Catarina

Descubra as novidades que acontecem nas nossas Casas e aproveite para assistir o vídeo que produzimos este mês em homenagem ao Dia de Santa Catarina. Você é muito bem-vindo, acesse e deixe seus comentários.

 

SIPAT valoriza segurança e saúde

Em novembro, a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) realizou a I Semana de Interna de Prevenção de Acidentes de Trabalho (SIPAT) na Administração Corporativa. Com o objetivo de ressaltar a relevância do uso de Equipamentos de Proteção Individual para a segurança de todos, também foram ressaltados aspectos relacionados à qualidade de vida, como a importância da boa alimentação na saúde de nossos colaboradores.

Durante o período foram realizadas diversas atividades, desde Ginástica Laboral até sessões de massagens de reflexologia. Os colaboradores foram presenteados diariamente com a entrega de frutas para degustação e uma série de informações nutricionais sobre esses alimentos na nossa alimentação. Além disso, no dia de encerramento da SIPAT, o Grupo de Criando Arte, composto por idosos do CRI Norte, esbanjou talento na apresentação da peça “Cair de Madura é Só para Fruta”.

4º Dia do Nariz Vermelho

O Dia do Nariz Vermelho é uma campanha mundial que acontece em diversos países, onde artistas se unem para realizar atrações culturais como shows, atrações de circo, espetáculos de dança, entre outras apresentações. O evento tem cunho beneficente e anualmente contempla uma instituição filantrópica com todos os fundos arrecadados e, este ano, o Amparo Maternal foi escolhido para ser beneficiado.

O evento aconteceu no dia 15, no teatro APCD, zona norte de São Paulo, e aproximadamente 800 pessoas compareceram a este show de solidariedade que contou com as apresentações de ballet da Academia de Dança “Roberta Lopes”, Cia. Fabulosa Trupe, o Ventríloquo – Rick Regis, Mineirinho de Maceió, a cantora Adriana Ribeiro, show de mágica, malabarismos, acrobacias e, por fim, a dupla Patati Patatá. A Diretora Executiva Júnia Cordeiro também marcou presença no palco do 4º Dia do Nariz Vermelho contando sobre a causa e obra do Amparo Maternal.

Júnia Cordeiro (Diretora do Amparo Maternal) falando sobre o trabalho da Casa, junto ao mestre de cerimônias do evento, Palhaço Xibum

“É sempre uma grande satisfação poder realizar o Dia do Nariz Vermelho no Brasil todos os anos; mas esta 4ª edição sem dúvida superou nossas expectativas! Foi uma edição bem trabalhosa, mas que gerou um resultado incrível é a nossa maior edição desses quatro anos.” relata Rodrigo da Paixão, diretor da campanha. “Os ingressos se esgotaram, a arrecadação foi bem bacana, mas com certeza nossa maior recompensa foi emocionar centenas de crianças, jovens, adultos e até idosos, que até hoje vêm nos parabenizar pela iniciativa e pelo trabalho de sucesso. E fazer tudo isso para ajudar uma instituição séria como o Amparo, só nos traz mais gratificações. Por isso, só temos a agradecer a todos os envolvidos, público, empresas, atrações e voluntários, pelo carinho com a nossa campanha”, finaliza Thais Martarelli, também diretora da campanha no Brasil.

60 anos do Ambulatório da Glória

Foi com alegria que o Colégio Santa Catarina de Juiz de Fora e a Congregação dos Redentoristas comemoraram os 60 anos do Ambulatório da Glória. Coordenado desde 2004 pelas Irmãs da Congregação de Santa Catarina, o Ambulatório mantém até hoje a herança de caridade de Madre Regina Protmann e da Congregação Redentorista – sua fundadora.

Cerca de 10 mil pessoas são assistidas por ano. A obra sobrevive sem ajuda de nenhum órgão público e tudo o que recebe é proveniente de doação de pessoas de boa vontade, em especial, da colaboração de fiéis da Paróquia de Nossa Senhora da Glória.  Presta assistência médica, odontológica, farmacêutica, jurídica, religiosa e psicológica. Além disso, também são distribuídos enxovais de bebê, cestas básicas e medicamentos.

ONG Brasil

O Amparo Maternal e a OS-Santa Catarina participam da ONG Brasil 2013, único encontro intersetorial da América Latina que conecta organizações da sociedade civil, poder público e iniciativa privada, que acontece entre os dias 28 e 30 de novembro, em São Paulo. A presença das duas Casas fortalece o belo trabalho realizado, uma oportunidade de expor as nossas causas, projetos, tendências e possibilita a troca de informação e experiências.

Show de Física: aprender com diversão

Aprender de forma divertida é sempre mais estimulante. E esse é justamente o objetivo do Show de Física da Universidade de São Paulo – USP, do qual participaram recentemente os alunos do Colégio Santa Catarina de São Paulo. A atração contou com uma série de demonstrações abordando diversos assuntos interessantes sobre a Física. Supervisionados por um professor coordenador, monitores treinados fizeram apresentações lúdicas, divertidas, dinâmicas, envolventes e interativas, permitindo que os alunos contextualizem, ampliem e estimulem o seu perfil científico.

Concurso cultural no NESC

No último mês de outubro, o Núcleo Educacional Santa Catarina – NESC promoveu o “I Concurso Cultural de Fotografia e Frase EDUCAR É…”. Com apoio da Coopercredi – ACSC, o concurso teve a finalidade de estimular a participação de todos os colaboradores do NESC a refletirem sobre a importante missão de educar, além de estimular o prazer em escrever e fotografar.

As obras produzidas passaram por uma comissão julgadora composta por três colaboradores da Administração Corporativa, além da Irmã Lucia Piva, Rodrigo Dias, da Coopercredi, e Juliana Altieri, da Creche Sagrada Família, que ajudou nos desempates.

HTO Dona Lindu realiza 2º transplante de tecido musculoesquelético

Especializado em cirurgias de alta complexidade, o Hospital de Traumatologia e Ortopedia Dona Lindu (HTODL), em Paraíba do Sul, vem ampliando sua atuação no serviço de saúde através da realização de transplantes de tecido musculoesquelético. O procedimento consiste em utilizar tecidos ósseos doados para repor perda óssea no paciente receptor. Esta é a segunda vez que o hospital realiza o transplante, a primeira em uma cirurgia de joelho.

A receptora foi Milcea Gomes Marinho, 71 anos, moradora do município de São Gonçalo. Portadora de uma artrose no joelho direito, a paciente passou por operação em 1999 para colocação de uma prótese que corrigiu o problema. No entanto, há cerca de dois anos, dores constantes no mesmo local começaram a atormentar o dia a dia de dona Milcea, que precisou abandonar a profissão de costureira, sendo forçada a se aposentar. Após passar por consulta no HTODL, foi indicada a necessidade de uma nova cirurgia.

De acordo com o cirurgião ortopedista, Vinícius Bonfante, chefe do grupo de joelho do hospital, neste caso o transplante foi indicado, pois a cirurgia foi uma revisão de prótese total do joelho, procedimento com grande quantidade de perda óssea. Segundo o cirurgião, o transplante traz benefícios, pois evita a enxertia autóloga (retirada de tecidos do próprio paciente para reimplante no local necessário), o que torna a operação menos invasiva, menos dolorosa e mais eficaz.

Na última sexta-feira, dia 4, Milcea foi operada no hospital, e agora espera ansiosa para voltar a ter uma vida normal. “Minha vida parou por causa destas dores, mas agora é olhar para frente. Todo o sofrimento que eu e minha família passamos juntos ficou para trás”, afirmou a aposentada.

O marido de Milcea, o aposentado Lozir Marinho, fez questão de agradecer o atendimento do HTO Dona Lindu. “No auge das dores da minha esposa pensei até em vender a casa para que ela pudesse ser operada em um hospital particular. Quando viemos para o HTO tudo foi muito rápido e ela conseguiu a cirurgia. Se fosse dar uma nota para este hospital, certamente seria 10”, disse Lozir.
Para o diretor executivo do HTODL, Artur Hummel, a habilitação para realizar o transplante de tecido musculoesquelético demonstra que o hospital está no caminho certo, pois mantém a preocupação em ampliar a qualidade do serviço, garantindo a segurança do paciente. “Todos os procedimento realizados no hospital seguem protocolos de segurança rígidos, certificados pela Organização Nacional de Acreditação. Nos preparamos para a realização de transplantes, e quem ganha é sempre o paciente”, afirmou Hummel.

Os tecidos musculoesqueléticos utilizados no hospital são fornecidos pelo Instituto Nacional de Traumatologia e Ortopedia Jamil Haddad (INTO), responsável pelo banco de tecidos que abastece o HTO Dona Lindu. O INTO também capacitou a equipe do hospital para receber e manusear o enxerto ósseo.

A autorização para realizar o transplante foi concedida ao HTODL pelo Ministério da Saúde, em janeiro de 2013, sendo o primeiro hospital estadual a realizar este tipo de procedimento. Após o período de preparação da equipe, a primeira cirurgia a incluir o transplante foi uma revisão da artroplastia do quadril esquerdo, realizada em 24 de junho, dia em que o Hospital Dona Lindu completava três anos de funcionamento.

Cuidados paliativos para viver bem

O Hospital Estadual Central (HEC) criou uma Comissão de Cuidados Paliativos para dar assistência aos pacientes que não têm mais possibilidade de cura do ponto de vista médico e passam a vivenciar, junto com suas famílias, a terminalidade da vida.

Antes de apresentar a Comissão aos colaboradores da área assistencial, foi dada uma palestra sobre luto, com o objetivo de sensibilizá-los, uma vez que falar sobre morte é delicado e desperta emoções fortes até nos profissionais da saúde, que já estão habituados a lidar com a perda.

Semana das crianças na Creche Santa Catarina – Petrópolis

Outubro, o mês das crianças, foi bastante agitado na Creche Santa Catarina, em Petrópolis. Em uma semana dedicada à alegria dos pequenos, o local contou com várias atividades, como a visita de estagiários de Educação Física da Universidade Estácio de Sá, que através de brincadeiras mostraram às crianças que a prática de esportes e de atividades físicas faz bem a saúde e deve fazer parte do cotidiano de todos.

A creche teve também a presença do grupo de capoeira do Professor Evandro, que fez uma interação divertida e cheia de energia com as crianças. A alegria da semana foi garantida também com pinturas feitas na pele, brinquedos, como pula-pula, piscina de bolinhas, castelinhos, além de muitas guloseimas, como algodão doce, pirulito, lanchinhos diferenciados, bolo, entre outros.

Colégio Santa Catarina de Juiz de Fora: consumo consciente, empreendedorismo social e doação de brinquedos

No mundo capitalista em que vivemos faz-se cada vez mais necessário educar financeiramente nossos filhos para que eles saibam lidar com os apelos consumistas. O conflito entre querer, poder, merecer e precisar é inevitável a qualquer família. Nesse cenário, o Colégio Santa Catarina (CSC) de Juiz de Fora, implantou, a partir deste ano, aulas de Matemática Financeira com alunos das 5ª, 6ª, 7ª e 8ª séries. O objetivo é trabalhar noções básicas de empreendedorismo e Economia.

“Antes, a Matemática II trabalhava apenas Geometria ou reforço da Matemática I, mas, desde o início do ano, nós incorporamos a matemática financeira no nosso currículo. A proposta é que os alunos tenham mais consciência do mundo em que eles vivem, tenham noção do que é caro, do que é barato. É mesmo para transmitir um conhecimento básico e que, a partir disso, haja uma mudança comportamental neles e também nas famílias”, explica Rosângela Santos, professora responsável pela disciplina.

Rosângela trabalha com as turmas questões, por exemplo, de promoções, cartão de crédito, código de barras, nota fiscal e redução de gastos. E já colhe alguns frutos. “Na 6ª série eu trabalhei a importância de economizar com gastos supérfluos e investir o dinheiro poupado em coisas mais necessárias. Aí, uma aluna veio me contar que antes ela gastava 15 reais por semana com guloseimas e reduziu para cinco reais. Outra menina me disse que comia cinco açaís na semana e diminuiu para um, e com o dinheiro poupado ela está ajudando os pais a guardar dinheiro para a festa de 15 anos dela”, conta entusiasmada.

E os resultados não param por aí. Com as turmas de 7ª e 8ª séries, Rosângela decidiu fazer um trabalho interdisciplinar com as professoras de Português, Ana Cristina de Souza Costa e Vera Francis. Os alunos tiveram que ler o livro “A ponte mágica”, de Fernando Dolabela, que conta a história de uma menina de 11 anos que cria sua primeira empresa para realizar o sonho de construir uma casa para uma amiga pobre que havia perdido tudo numa enchente. “Esse livro coube perfeitamente a nós porque tem um linguajar adequado, lúdico, mais próximo dos alunos. Além de mostrar que empreendedorismo não tem idade, o livro também prega que todos nós temos capacidade para traçar nosso próprio caminho, porque a personagem é criativa e cheia de garra. No início, ninguém acreditava nos sonhos dela, mas ela não desistiu e correu atrás”, afirma Rosângela.

Enquanto Rosângela trabalhou os aspectos financeiros abordados na história, Ana Cristina focou na parte literária. “Para alcançar seu objetivo, a personagem fez um mapa dos sonhos, ou seja, ela traçou metas para conseguir arrecadar fundos e construir a casa da amiga. E o livro ensina direitinho como fazer isso. Então, eu pedi que os alunos fizessem o seu próprio mapa do sonho, não pensando num objetivo pessoal, mas no coletivo. E aí surgiram coisas incríveis. Teve uma aluna que estruturou um portfólio maravilhoso para montar um abrigo para idosos. E eu perguntei, mas por que idoso? E ela respondeu que na casa dela tem muito idoso e que eles necessitam de muitos cuidados. Foi bacana ver que eles tinham percepção do que eles queriam”.

Segundo Ana, também surgiram muitas ideias envolvendo a questão da reciclagem de lixo, o que demonstra uma preocupação ambiental. “Mas o forte dos trabalhos, em geral, deu destaque para idoso e criança e animal”, ressalta a professora.

E entre as inúmeras ideias expostas no “mapa dos sonhos” apresentado por cada aluno, uma foi colocada em prática e começou a virar realidade. Com a proximidade do Natal, as professoras acharam viável concretizar a fábrica de brinquedos recicláveis proposta pelo aluno Lucano Ribeiro Borges, que sugeriu doar tudo o que fosse produzido para alegrar a vida de crianças carentes. “Conversando com minha mãe sobre o que eu podia fazer, nós nos lembramos de um priminho meu que, sem muitos recursos financeiros, fica brincando com tampinha de garrafa que faz de pião. E como ele, muitas crianças devem improvisar para ter com que brincar. Aí, nós chegamos juntos a essa ideia porque é possível brincar e se divertir com coisas que não sejam tecnológicas ou industrializadas”, conta o estudante, bastante feliz de ver o sonho virando realidade.

A ideia de Lucano foi apresentada também aos demais alunos da 7ª série e todos se mobilizaram para ajudar. O resultado surpreendeu as professoras envolvidas, a coordenação e a direção do CSC. “A gente não imaginava que eles fariam os brinquedos com tanta seriedade e prazer. O livro, além de ensinar o que é empreendedorismo, serviu também para motivar e mostrar que qualquer pessoa pode ser um empreendedor e gerar benefício coletivo. Eles entenderam a importância de olhar para o próximo, ou seja, banir a ideia de ser um empresário famoso e rico, mas sim, de gerar solidariedade e benefício para a sociedade em geral”, destaca Ana Cristina.

E criatividade não faltou aos alunos na hora de “produzir” os brinquedos. Foram feitos animais de diversas espécies, aviões, helicópteros, submarino, carrinhos, trenzinhos, bonecas, palhacinhos, joguinhos, biboquês, telefone sem fio, pé de lata, entre outros. Os materiais utilizados também variaram: latas de achocolatado, garrafas pet, E.V.A. palitos de picolé, pregadores, feltro, recipientes de amaciante, tampinhas de garrafa e caixas de leite, por exemplo. Tudo o que foi confeccionado com tanto carinho, fará a alegria de 160 crianças carentes assistidas pelo Centro de Atenção ao Menor (Ceprom), localizado na Vila Ideal. O local foi escolhido porque os alunos do CSC já realizam lá um trabalho, através do Voluntariado Jovem.

“Depois de ler o livro ‘A ponte Mágica’ e fazer esse trabalho, eu aprendi que você não pode deixar ninguém falar por você e podar seus sonhos. Você tem que seguir em frente e aqueles que estiverem juntos, estarão juntos. Vi que é possível, desde cedo, ser um empreendedor e colocar em prática um projeto, um sonho. Já em relação a dinheiro, eu fiquei mais consciente. Antes era compra isso pra mim, compra aquilo pra mim. Eu não tinha noção de quanto custava. Agora eu já entendo mais como é pagamento, juros e ajudo a poupar. E a minha mãe está super satisfeita com tudo isso”, conta Lucano, entre risos.

Um pouco mais sobre as aulas de Matemática Financeira

Todos os alunos do Ensino Fundamental II do CSC, desde a 5ª série (ou 6º ano) até a 8ª série, têm aula de educação financeira uma vez por semana. De acordo Rosângela, o conteúdo abordado varia de acordo com a idade, sempre conciliando a matemática. “E eu sempre procuro mostrar que o comprador compulsivo é uma anomalia. Eu trabalho porcentagem, código de barra, notas fiscais, promoções, juros sempre com situações do cotidiano. E com isso, a matemática ficou mais prazerosa, porque eles conseguem ver a aplicação da disciplina no dia a dia. Eu, pelo menos, senti muito mais participação nas minhas aulas”, avalia a professora.

O próximo trabalho que Rosângela vai desenvolver com os alunos será o de criar ou recriar um produto para melhorar a vida da população, também com o objetivo de despertar o lado empreendedor. E depois desse primeiro desafio, eles terão que vender suas ideias. “Metade da turma será de criadores e a outra metade de investidores. Porque, às vezes, você sabe criar algo, mas não sabe divulgar ou não tem dinheiro para investir”, explica Rosângela, que tem um sonho ambicioso: “Mais para frente já estamos com a ideia de montar uma empresa aqui no colégio, que seria coordenada pelos próprios alunos e engajá-los também em projetos sociais e ambientais”.

1º Dia do Coração em Petrópolis

Com a presença de mais de duas mil pessoas, o 1º Dia do Coração – Feira de Saúde e Qualidade de Vida, realizado em outubro, entrará no calendário anual do Município de Petrópolis. Promovido pelo Hospital Santa Teresa (HST) e pela Prefeitura de Petrópolis, o evento teve como objetivo conscientizar a população sobre a importância dos cuidados com a saúde, alimentação e a prática de exercícios físicos para a prevenção de doenças.

A data também marca uma nova fase da Cardiologia do HST, que terá a ampliação do serviço de Hemodinâmica e a primeira Ressonância Magnética intra-hospitalar da cidade.

Psicólogas do AME Jardim dos Prados participam de simpósio

O artigo científico “Obesidade: um corpo que grita. O fenômeno psicossomático para além da perda de peso”, das psicólogas Ana Paula Barcelos Correia e Maria Fernanda Veiga Miglioli, do Serviço de Psicologia do AME Jardim dos Prados, foi selecionado para apresentação no V Simpósio de Psicossomática Psicanalítica do Instituto Sedes Sapientiae. O evento aconteceu em São Paulo, na UNIFESP.

Trata-se de um estudo de caso de um paciente adolescente obeso e sua família, objetivando uma compreensão dos aspectos emocionais envolvidos, para além dos resultados na balança.

“Ficamos muito felizes com a seleção do trabalho e participação neste Simpósio. A experiência foi gratificante e enriquecedora, pois além de buscar novos aprendizados e atualização na área da saúde, pudemos também divulgar o nosso trabalho e atuação no AME. Entendemos que é importante essa troca de conhecimentos e informações na área clínica e na saúde pública.” relataram as psicólogas Ana Paula e Maria Fernanda.

Laboratório no CRI Norte orienta idosos contra quedas

O Centro de Referência do Idoso da Zona Norte (CRI Norte) construiu no setor de reabilitação um laboratório para a prática de Atividade de Vida Diária (AVD). Com ambientes que reproduzem uma residência, o espaço é utilizado para sensibilizar sobre os riscos ambientais e alertar para a importância de pequenas ações que podem prevenir quedas dentro de casa.

O local já é utilizado como recurso terapêutico para estimular a independência do idoso. O ambiente seguro e confortável ajuda aos usuários na adaptação das rotinas diárias, favorecendo a melhora de problemas de equilíbrio, flexibilidade, força muscular, perdas de visão, alterações cognitivas, além de idosos que possuem necessidades especiais.

Destinada a todos os usuários do CRI Norte, desde pacientes a usuários do Centro de Convivência, o horário de funcionamento do Laboratório de AVD é das 7h30 às 18h, de acordo com a disponibilidade das atividades coordenadas pelas terapeutas ocupacionais.

Casa de Saúde São José recebe reconhecimentos

Após concorrer com mais de 300 trabalhos científicos de todo o Brasil, os farmacêuticos Flávio Bandeira e Beatriz Arous, da Casa de Saúde São José (CSSJ) foram premiados, em novembro, pelo trabalho “Atuação clínica do farmacêutico na unidade coronariana de um hospital de grande porte”, apresentado no Congresso da Sociedade Brasileira de Farmácia Hospitalar (SBRAFH) – IX Brasileiro e II Sulamericano. Além de um prêmio no valor de R$1.000,00, a vitória rendeu também uma inscrição para o X Congresso Brasileiro de Farmácia Hospitalar.

Além disso, em outubro a CSSJ também recebeu o Prêmio Empresarial da Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC), pela apresentação do melhor simpósio satélite durante o 68º Congresso Brasileiro de Cardiologia (CBC). O trabalho apresentado foi “Oficina de Casos Clínicos: como resolvo os casos. Mundo real”.